Murilo Gun

Quem está online

Temos 19 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
ACUSO (OU PELA POETRIA NOVA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia absoluta não se encontra na agudeza  da expressão, mas na expressão da agudeza.

 
REAÇÃO ATIVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

É urgente o processo de ampliar a suficiência da linguagem verbal, do universo da ação poética, no sentido de abranger um campo maior

 
CRÔNICA NOTURNA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

As bordas do precipício eram escuras

poucas vezes a beira era roxa. Um tanto afiadas ou mofas.

Mas discretas. Não porque abauladas

 
CÂNTICO NOVO (NOVO CÂNTICO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras

O poeta que, entre ocupações servis e cargos ou cangas da vida, mantém, ao longo do tempo, a poesia presente,

 
HERMETISMO VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras

Na fruição da obra poética há um óbice considerável constituído pela atuação de uma força que leva a percepção atual do presumido leitor ao passado,

 
POR OUTRAS RAZÕES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

“As sequências linguísticas são rebeldes”.

 
A ADAMANTINO HORIZONTE RIGOR DA OBVIEDADE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Jovem gueixa foge como gamo nu

lua chinesa em maio espreita

louva-a música dos gumes afiados

 
O QUE SEJA HÍMEN ERA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O que é o bendito (ou mau dito) hímen afinal?

Apenas uma membrana (película dérmica) postada (tipo guarda)

na entrada da vagina

 
O QUE É POESIA, SEM AFINAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Poesia é a introdução da palavra na causa escuras

o objeto como meio do fim iniciado

do fim apenas começando o intervalo branco

 
INTRODUÇÃO A MIM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A linguagem é uma descoberta diária

algo que move  a alma (imobilizada

pela usura sucessiva dos dias prósperos

 
ANOS EXPRESSIONISTAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Meu primeiro contato com o tema ocorreu em 1988, em Dusseldorf (Renânia do Norte – Alemanha),

 
LUDISMO TRANSCENDENTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Hildeberto Barbosa Filho

“Vital é daqueles que bifurcam seus caminhos estéticos, sem perder, contudo, a unidade subjacente que trama, em recorrência paradigmática, seu gesto criador.

 
A ESTÁTUA DO TEMPO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Serventia de estátua: wc de pombos e abrigo de lodo iodado, construído úmido. Além de parecer pouco com o estatuído.

 
DEPOIMENTO VITAL (POR ELE MESMO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Vital violenta a palavra desmesuradamente sempre. É uma espécie marginal de poeta. Usa a mesma coitada de modo desconfortante altamente para ela e mais altamente

 
CRIAÇÃO DO PÊNIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Escultura o homem

com pá do sopro o Senhor

a seu relvado peito ata

 
PESADELO LÍRICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Pesadelo lírico, trêmulos sonhos adverbiais

demoníacas dionisíacas nada espartanas

visões de verbos delirando na clínica da página

 
DA UTILIDADE POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Por que um poema nos dá prazer, nos proporciona êxtase e viagem, embora destituído de mínima utilidade?

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 4 de 79

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes