Murilo Gun

Quem está online

Temos 18 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
NOTAS (16) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Essa mania, essa anelo artificial de perfeição formal externa, essa arte de relojoaria verbal e ourivesaria rímica, essa performance métrica, esse lavor versificatório todo,

 
TRÊS INSANOS SUBLIMES - ANTECIPAÇÃO DE RILKE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os poemas de Rilke não falam de nada pois são absolutos... e não descem jamais ao nível do dizer banal ou não.

 
POESIA. POESIA? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia, o modo de fazê-la varia a cada época.

 
FLUXO DE INCONSCIÊNCIA PROSAICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A solidão exaspera. E sublima. Caminho tranquilo e simplesmente  pela frágil e vicinal estrada do destino.

 
TUDO ULTRAPASSADO À BEIRA DO ULTRAFUTURO A POESIA BRASILEIRA AGONIZA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A linguagem poética, desde o século XX, todo e em especial hoje, é pasto de paradoxos.

 
ROXA PÁLPEBRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Com a matéria da insônia teço

relâmpagos  de leite na lenta horta

do impreciso cais onde olhos naufragam

 
COROS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Coros de nostalgia

cria nas cigarras o crepúsculo

com lençóis  e remédios

 
(TAÇA OU POÇO DE PRÍNCIPE) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Taça ou poço de príncipe

onde cânticos bailam

da água náufraga

 
POEMA ONZE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Harpas rota da aurora sem dedos ou rosas

vibra, clama até a morte do jamais

até as horas suspensas no agora

 
RILKE VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Rilke foi contínuos alumbramentos, sucessivos alumbramentos que me enrilqueceram ao longo dos anos oitentas do século finado.

 
POR QUE POESIA ABSOLUTA? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Por que poesia absoluta? É que no Brasil vigora a mania (ou melhor, a maníaca atitude mã) de que poesia tem que ser fácil.

 
A MODERNIDADE MATA TANTO QUANTO A MONOTONIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A modernidade do imenso me cansa

a monotonia do cansaço é imensa

a calmaria da água contamina a alma

 
DIXIT ZYGMUNT PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A moralidade é superior à religião.

A ética devia ser inerente ao ser.

Entre a esperança e o desespero, o que há?

 
SILÊNCIO AMANHECE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Silêncios escuros onde

sol de escaravelhos se esgueira

e descobre incêndios de grito

 
TRÊS POEMAS DE HERÓI PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

DURA HABILIDADE DO HERÓI

O herói dura o tempo da queda

e persistiria se a hora

 
REVEILLON (2014) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Rimbaudelaire e Mariohélio

Como resistir

no ventre desse milênio pando

 
ATO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ergo dos dólmãs axtomas de pedra

rótulas do céu, menires aéreos, rastro de galáxias

meniscos de palavras, tíbia de verbos.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 6 de 73

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes