Murilo Gun

Quem está online

Temos 24 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



CORTEJO DE TRASTES MURALHAS DE PÁRIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 07 Agosto 2018 13:15

Chamo à colação possíveis e impossíveis leitores para a curiosidade (paradoxal, talvez) sobre este romance de VCA.

Isso não é um romance é um romance, porém não aparenta ser, não tem forma, semelhança, aparência ou jeito de romance. No entanto, é um romance Isso não é um romance. Por mais desproposital ou estranho quanto o mundo e a humanidade, paradoxalmente esquisito, desaparente, incorrigível que seja Isso não é um romance é, perfeitamente ou não, romance. O terceiro da trilogia romanesca de VCA. Os dois primeiros da série ainda não foram escritos, pois depende deste terceiro, que não tem cara, corpo, matéria, conteúdo de romance, mas o é. Pois, Isso não é um romance é um romance, totalmente romance, a despeito da esquisitice.

Isso não é um romance é um agregado de textos, meios líricos ou não, onde não se estabelece laços, elos, links, tipos de conectivos, traços unissionais, escrúpulos de coerência, benção de racionalidades normais etc, como similitudes impróprias ou não... outro etc.

Como diria Valéry, Deus, o diabo, a vida, o acaso, um dado surto de sorte, poemianas composições generosas ou esforçadas, construtos e destrutos pessoais, além do mero azar ou da fortuna literária, algum entusiasmo, uma rua, um poste, maçã, rosto, crase... deram a primeira linha do poema... o resto é com o ID ou a vida.

A desinterligação, entre textos, linhas, frases, pensamentos à lauda, raciocínio e outros dados construídos pelo enredo, nem sempre é presente mas é operativo.

Pense-se o caos construído com valência e fervor até.

Laços tênues que existam, teceu-o o imaginário, embora vária ou inúmera vez a gramática ou o receituário, a comodidade ou hábito do autor, leitor, editor... desatem, sejam ou não insustentáveis.

Tudo menos a dispersão do ser do verbo.

Nós e desnóis estabelecem o leitor cúmplice do autor. Narrator e leitorado. Se resta muito irrepresentável, é isto mesmo, assim é. E que seja, amém.

 

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar