Murilo Gun

Quem está online

Temos 39 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



POESIA DE SI PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quarta, 09 Janeiro 2019 21:57

Sou o fim só o fim do começo?

A poesia de VCA cria sua própria

(e vária) forma. Rejeita fórmulas.

Únicas ou não.

Hermético (é vital) para quem tem fôlego

curto de imaginação. Rédea mole.

Ou é muito prático, detestando

qualquer abstração.

 

É poesia esquisita para quem chegue de perto

distante do sal.

 

É objeto vão (infinito) a poesia vital.

Dos fundos horizontes ascendem

músicas de ilhas antigas melodias

melodias náufragas ainda

de greda ocupam drásticas

fortalezas do ouvido

 

de fundos azuis vêm teus olhos

bebermorte dos meus e das rosas

 

doces extremos me empanaram a vida

gozos inúteis faliram o falo

 

negaram-me horizontes e mirras

agora cegas e sempre escuras (as rosas)

 

os mais ébrios lugares fugiram

ficou a sobriedade cansada do nadar andante

 

em forma de sombra ou barco

de esponjas negras e visões sem ventre.

O aroma das árvores

o meneio das nuvens

 

parecendo seios dispersos

sendo úberes brancos

garoas que os dedos amealham para o gozo

manhã pequena e selvagem

ainda se desnuda a meus olhos (hirtos de cansaços)

 

lacrados mas lascivos

as bodas do sol são de lágrimas

 

o campo pequeno (e leve) da água (calma)

torna-se estrépito de brasa e tempestade lusa

 

das flores pétalas parecem lágrimas

da lua sombra já é náufraga (luz pare buraco negro)

 

louco amuleto trago

do escombro da íris (para o azul branco da nuvem).

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar