Murilo Gun

Quem está online

Temos 33 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



GUSA E VISÕES EPIFÂNICAS DA PALAVRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quarta, 30 Janeiro 2019 14:18

aos cajus do olhar

Amanhecer amarelo não temo

do olho ágil do crisântemo

de ouro lento.

 

Inunde o fogo

à cerejeira chamuscada

céu chore lágrimas de brasa.

 

Calma flauta alada

nítido som lance

sobre seda lisa e leve da alma.

Incêndio da página

inciso a inciso chegou

até o SS 3º do capítulo cinza da alma.

Do céu encastelada estrela

punhais de luz ímpia de longe atira

aos olhos ácidos dos homens.

Escarpa em capela onde

náufraga água crespa

em ondas altas role.

Velha lagoa onde

vítrea rã enrame-se ruborizada

entre harmonias e estrumes úmidos.

À água revolta da página

poema luta pelo desafogo

para o prelo encapelado.

(Como gota de luz no olho da escuridão).

Deixe que o nada o faça

ao poema e em falsete

o declare alado ou vago.

De haicai em haicai ando

como pelo rico de pedra

cardumes verdes do transitam.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar