Murilo Gun

Quem está online

Temos 45 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



POESIA. POESIA? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 05 Fevereiro 2019 23:23

A poesia, o modo de fazê-la varia a cada época.

A poesia moderna (tão pouco praticada, sua ação exercida tão palidamente entre nós) foi um fenômeno mundial, de súbito chegou com a revolução da pintura (Picasso, Dali, Matisse, Kandinsky) e prosperou imensamente, respingando no Brasil.

Apareceu no fim do século XX, (embora desde Rimbaud, Baudelaire, Mallarmé e Autréamont) e segue representada pela evolução lenta, não mais revolução, como fora, Brasil com pequenez exemplar.

Porém, fundas marcas deixam no meu poema seu lírio, em minha palavra enlouquecida.

A poesia moderna (a que hoje vige no mundo, à exceção do Brasil, raríssimas exceções) encontrou sua forma no verso livre (como o id que Freud liberou) – e poderia ter sido diferente. O que torna muito mais complexo o problema forma (o que senda não se resolve no Brasil, infelizmente, não para mim, que resolvi, desde título provisório, em 1979).

Questão que tem  despertado polêmicas e adicionado desencontros, dificultando a expressão brasileiro da melhor poesia moderna e sua expansão até o Chuí. O congelamento da poesia brasileira anacrônica desta época se deve à não aceitação da forma do verso livre, que a dispusesse a expressar não  o ejo soberbo e romântico, mas o id descomunal, e saísse assim a nossa poesia sacrificada da potencia (capacidade de expressão ao ato da poesia neoposmoderna: Da condição subjetiva à objetivação plena.

Poema é a afirmação (ou negação, tanto faz) de algo inesperado, súbito, acaso dado de pronto, flash relâmpago mental (como o haicai de Osman Holanda ou Cloves Marques).

É o silêncio sublimado pelo sal da palavra oferecida em holocausto no altar do sentido, quando onde lenhos hermenêuticos a incinera.

A lógica poética moderna é ambígua, dialética, é a lógica do inconsciente, lógica quântica.

O poeta não é mais sonhador, à Machado (linguagem romântica), mas um fazedor à Borges.

Emoção e razão foram exiladas do moderno poema. Sentimento e sentido do sentimento são nocivos à poesia (que exige poeta de alma seca, para que a mão não trema e desgrace o poema). Tudo isso não tem sentido em poesia absoluta.

Se você tem algo a dizer, a explicar, descrever, a mandar (como uma mensagem), se você quiser passar recado, lição (de moral ou não), expresse-se (expressar a si mesmo assim) porem não em poesia, mais em prosa (que é para dizer algo qualquer a outro ou si mesmo), que é mais rápido e efetivo, consequente e melhor resultado.

Que o faça transformando prosa em versos metrificados, etc, infelizmente é possível. É poema, sim, fisicamente, mas não é poesia!

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar