Murilo Gun

Quem está online

Temos 41 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



POEMA: AÇÃO NEUROVERBAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 11 Fevereiro 2019 14:21

Sabia do defeito original do poeta ao versejar descrevendo coisas, objetos, sensações e sentimentos.

Combatia, porém sabia também que atavicamente – em termo de linhagem literária – eles - (os tais poetas do meu (mau) tempo – apenas reagiam à concepção de linguagem como representação e mesmo cópia da realidade, que era o parâmetro do complexo linguagem mundo ideologicamente dominante.

 

A relação linguagem com as coisas, desde os gregos e linguistas alemães, era estabelecida com um ranço de platonismo: ideia e imagem. Era a teoria pictórica (imagética) da linguagem.

Desde o segundo Wittgenstein que essa coisa desandou.

A linguagem estabelece, com as coisas do mundo, do si, da sociedade, relações muito mais complexas do que uma relação tipo representativa ou substitutiva (copiativa) apenas.

Não é a função representativa da linguagem que atende às operações cognitivas. Normais ou esperadas. Os usos de uma palavra têm sentidos inusitados, variáveis, mesmo impensáveis e aparentemente distorcidos. É da natureza da palavra a sinuosidade do sentido, o disfarce, a ocultação, a ambiguidade assumida.

E o que é o poema absoluto (insensato ou insensível como se apoda) se não grave, plena, profunda e vital distorção verbal em ato operatório na página e na alma?

E a linguagem utilizada num poema difere da de outro poema sequencial do mesmo livro. Eis a mágica.

O que fica crítico é a relação dualista, metafísica (não dialética), lógica, definida e definitiva, que a linguagem detinha em relação ao mundo (coisas, seres, objetos, acontecimentos). E tal adequação do pensamento (via linguagem) e o mundo representava a verdade (desde o tomismo definitivamente).

O que embasa o poema absoluto é a neurociência, hoje. O cérebro não representa passivamente aspectos da realidade externa internalizando-os ou projetando-se naqueles. Porém, registra neuronalmente todo o universo do contato sem auxílio de nenhuma sintaxe externa ou gramática representacional, como um cego a explorar o tato dos fatos.

O poema absoluto é do âmbito neuronal, neuroverbal. Ou neuroverbário.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar