ATOS BANAIS Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Te ofereço todos

os ângulos da dor de amar.

E os fáceis pontífices

em seus tronos de nacele.

 

 

 

A vida devia vir

com manual de instrução

modo de usá-la bem ou não.

 

 

O amor é o câncer

do nosso tempo

a úlcera dos sentimentos

o amor diminui o homem.

 

Gozos superficiais, palavras

em sinédoques fatais

sobrepelizes enferrujando no armário

de prata demolida

lamentos suburbanos amarelos

alforjes de alumínio falido

assembleias de gusa

comboios de célere ferro

(para farra da ferrugem do verbo)

glebas de aço sulfúrico

odes ácidas mas voluptuosas

pólens abortados

sífilis política tomando o corpo brasileiro

energúmenos eleitos diretamente

em prélios eleitorais tortos.

Ó desglória, ó tempo moroso de vergonha.

O caos é melhor do que qualquer ordem tal.

A obsessão monetária

o trunfo da usura

a terapêutica financeira

os impérios de pedra, cal e gôndolas

os quilômetros de moedas

e as rendas infinitas como calcinhas

e o púbis do poder brilhando

como cólera de estrelas nos olhos

dos magnatas ridículos de hoje.

 

(Retiro das Águias, 10/08/2014)