Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 66 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Siga-nos



PoesiAbsoluta
O VERBO É NOTURNO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Poemas são palavras espetadas na cerâmica do céu.

Palavras desesperadas por um sentido ou

luz macia (como doces para bocas)

 
PODRE UTOPIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Utopia desprezada, desacreditada. A utopia está enferma, é o cadáver insuperável de nossa hora. Quem dum remoto futuro foi rainha... hoje deposta, esquelética, agora quase morta.

 
DESCRENÇAS (OU DEZ CRENÇAS) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Creio em geometrias moribundas

esculturas de sarças fumegando

ladainhas de urze sarracena

 
A POESIA DE VITAL CORRÊA DE ARAÚJO 2016 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
 
LENTO SAL SOL RECLUSO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

às fábricas da aurora

Ouro vago da sombra

que tarde enclausura

na cloaca dos escombros

 
[ CÍVICACENA ] PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Empampanoado Alcebíades adentra

o receptáculo do ébrio banquete

simpósio da náusea, envelope aberto

flautistas o cercam, o palavrório agita

 
DOIS POEMAS DE DEZEMBRO 2010 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Trípodes de ouro habitam frontões

do pináculo do templo vitória de mármore branco

em voo de plena glória flagrada

soberbo gesto do ar coagulado

 
DEZ MONÓSTICOS VITAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Silêncio de garça é branco

Alma de etílope leve como vento norte.

A oeste do paraíso está o inferno.

 
VITAL CORRÊA E O SIGNIFICADO NA POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
 
RAÇÃO DE SOMBRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

“De vez em quando a insônia vibra

com nitidez de sinos”

e cristais recrutam a impossibilidade da linguagem

para fazer cirandas de andorinhas (e poesia)

 
VÉRTICE BRANCO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(ou flauta de osso)

Das sonoras vértebras do silêncio

demoram-se as melodias do ocaso

a medula do grito encaracolada

 
PORNOGRAFIA FLORAL OU EDUCAÇÃO SEXUAL PELO PÁSSARO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(pra não dizer pelo pênis)

Cópula do lótus com a abelha

do junco com o vento úmido

do bentevi com a papoula nua

 
CONFISSÃO EXTREMA - (unção de ser não) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Busco na palavra a secura, o inóspito

de mim que vaga como grito arrancado

do esôfago da náusea que habito, entrego-me

à vida ávida do ácido da morte

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 4 de 72

INFORMA GARANHUNS

Jornal O Monitor

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Textos Agrestes