Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 28 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Siga-nos



PoesiAbsoluta
DE FLORES, POUSO, POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Caracol é especialista em paciência.

Mário Benedetti

Flores relincham de volúpia quando

 
O RIO QUER MORRER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Há tardes que sinto do âmago da tinta

do voo oblíquo das sílabas acalento a alma

há tardes em que sento no coração do rio

 
APÊNDICE AO POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Levante: pódio donde a luz do sal

com o arco crepuscular dardos atira no azar

e insípido rosnar de brilho

 
A SOLILOQUIAR VOU PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Confissões do poeta)

A soliloquiar voo, pássaro sutil

de canto inclinado ao levante

 
LÂMPADA DE HOLDERLIN PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(A lâmpada de Holderlin desnuda a lauda

o revólver de Breton rende o poema)

Lâmpada de argila

 
VISÃO E VERTIGEM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Velórios aprendem a chorar desde pequenos

a solidão do féretro enriquece a dor

funerárias amam a morte

 
RECIFE DE MINHA COMOÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Recife, cidade sem corpo

só pedra e rio

e plumas de cães sorrindo

 
AO ABSOLUTO VÓRTICE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Benn, G.

Breve o pássaro como a flor

a abelha, o fruto, o amor.

 
FIDUCIÁRIAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

o destino é carnívoro

é dos postigos fechados, das cornijas sem ventre

dos tímpanos dopados e do ubre dos abismos

 
LEITORA: PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Às sensações do papel quando

nele se instalam

sublevadas palavras do poema

 
DEVER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Tudo deveria ser vertigem

e silêncio branco

tudo deveria extravasar sem dó

 
NA RETORTA DO TEMPO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Na textura do sal a pele da palavra

úmido atravessando a alma

(a travessia do sentido, a barca

 
CINZA E NADA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Trevas passadas.

Cinzas por vir.

O escuro ainda vem.

 
SILENCIO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Silencio.

Quando o grito causa

eloquente silêncio

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 3 de 92

INFORMA GARANHUNS

Jornal O Monitor

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Textos Agrestes