Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 12 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Siga-nos



PoesiAbsoluta
(A) REALIDADE (É BRASILEIRA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Até que os ossos nus falem

e escórias é sábia

e a morte rural.

 
5 POEMAS DE OUTUBRO/2015 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A cinza oblíqua do amor posto

entregue na primeira rua do rosto.

 

 
CENA ÍGNEA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A zarabatana azulada do relâmpago

atraiçoa céu rompendo rombula tenda

rasga véus de nuvens, dorsos de vento costura

 
LUAL ALPINO OU NAUFRÁGIO DA AURORA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Luas de lobo dos crescentes sábados

uivam das veias e covas de Caracas

grassam por tímpanos e sandálias

 
ELEUTHERIUS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Do campo criar corvo never

a rosa e o pulôver

louro para a pira

 
HOMENAGEM À CORRUPÇÃO LEGITIMAMENTE BRASILEIRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Usina VCA propõe que os nossos poetas pátrios elevem odes, ditirambos, cantos, epinícios, cordéis, epopeias e líricas estrofes a Nossa Senhora monetária corrupção brasileira.

 
ESTRUME (poemas) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ao irmão Chorume

e a luzes das estrelas

que morreram há milhões de anos luz

 
É O POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

De mínimo mundos e somas finitas

de assertivas vãs e obliquas introsões

de minúsculas mandíbulas (verbo-carnivoras)

 
ENQUANTO OSSO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Enquanto ouço

dos ossos flautas

das conchas binalves rumor do mar

 
ARQUITETURA DA INSÔNIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Do sonho teço árdua e ominosa arquitetura da insônia, suas escadarias curvas  e tênues vestíbulos escuros,

 
MEMÓRIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Chiados arrastando fantasmas

pelos assoalhos intranquilos da velha casa

contemplando o orvalho do abismo os olhos da sala

 
ILUMINAÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Rubis incendeiam regaços

do dorso lampeja esmeralda

sais celestes luzes dos vitrais gotejam

 
PÉTREA LÁUREA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Laboriosos círculos ourives crava

na pele lícita da joia engendrando grades de esmeralda

puros engates, cortes precisos engenhando.

 
MULTIDÕES SEM PERDÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Multidões consumidas

nas fábricas nos gabinetes

nas porteiras nas borboletas

 
EXCELENTE POESIA ECOLOGIA HUMANA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

PAULO DÁCIO DE MELO, amigo e poeta, cujo estilo de vida (modo de vestir, de ser, de ver e sentir a vida, a vida em suas dimensões sutis e amplas, em seu enfoque ético avançado que envolve toda a natureza e não só o ego rasteiro da pessoa em transito fugaz no mundo.

 
VOLTA DRÁSTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Drástica reviravolta no modo de fazer e entender, compor e recepcionar (do ângulo do leitor) o poema ocorreu dos últimos cinco anos até agora (julho/2017).

 
SEBATIEN JOACHIM ALTO LITERATOR PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Fiquei extático, catártico, eleático, vital, com sua performance, abismático schollar.

 
EPIGRAMAS COM FIGURAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Vi Anaxímenes ébrio

do hálito da natureza afirmando

que ser é éter

 
Poema que orquestre PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Deve-se buscar, sem hesitações ou rimas, sem sins ou nãos, sem mais nem menos, sem elucubrações de sentidos aproximados ou não, poesia de alta performance. Caminhos do absoluto poético.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 4 de 56

INFORMA GARANHUNS

Jornal O Monitor

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Textos Agrestes