Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 61 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Siga-nos



PoesiAbsoluta
LENTO CÁLICE DO ROSTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Endereço dos destroços não importa

nem corrente de olhares fuzilantes

ou a métrica rastejante da Quimera

 
ROSTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Rosto labirinto antigo e caudaloso

que se repete sempre indiferente e novo

(porque vário, áspero, insofismável)

 
POEMA EDIFICANTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

“Meu poema é qualquer coisa

menos edificante”.

do livro Ora pra nobis scania vabis (VCA)

 

Absurdo a tua condição absurda

fora da dúvida, não há

o que ser (o que não ser há).

 
PENSAMENTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Inútil utensílio escolástico

ou arma poeta

na guerra das palavras

 
A MORTE DO AMOR PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

A ânsia do barro da vida avança

sobre rosto arroga sua substância:

de medo e certeza mescla

 
MÁCULA ACUMULO E COMO MICULA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Rima vomito em cada esquina do verso

nefelibato entre cirros e estratos

a cada nimbo abstrato lanço verso alísio

 
IRREFLETINDO MUITO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Tudo tem duas verdades. É uma questão dialética.

Da verdade aparente e da nada aparente, vem a verdade real. Qual? A aparência é tudo, Chanel dixit.

Só a poesia absoluta não tem aparência, pois nem com poesia parece.

 
BEM VINDO OUTONO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Verão solitário se foi

seguias rígidas pegadas deixadas pelo inverno

abriu uma vaga no outono

 
VOZ AGÔNICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

Voz agonizava na tarde ébria

bêbado verbo aguçava ares

bares armazenavam sede

 
ROTAS ROTAS DA ALMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

 

ROTAS ROTAS DA ALMA

DA ALMA ROTAS ROTAS

(SONETO NEOPLATÔNICO)

são rotas arruinadas

 

Eis que búzios de setembro

surdos gumes vão exibindo ao vento

e lentos cardumes de outubro frêmitos

 
OUTRO POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

De que é feito o esquecimento?

Que matéria escura ou átomo de desmemória

o contém?

 
V DE VAZIO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por suporte   

O vazio é insaciável.

 

Escórias quietas amam destroços.

 

Credo é de greda.

 
COTIDIANUS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Naves ruem no mar revolto

ratos roem o rimar do porto

abandonando devassos conveses

às vezes saltam da proa alta

antes que as amantes

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 8 de 70

INFORMA GARANHUNS

Jornal O Monitor

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Textos Agrestes