Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 59 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Siga-nos



PoesiAbsoluta
CÂNTICO NOVO (NOVO CÂNTICO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras

O poeta que, entre ocupações servis e cargos ou cangas da vida, mantém, ao longo do tempo, a poesia presente, revelando-se sensível e reativo perante os embates da vida, mesmo convertendo-os em lirismo sensual, amoroso às vezes filosófico, bem dá a medida do seu coração (entregue à fera voraz da vida).

Einstein afirmou que a experiência  mais marcante do humano, ou a que mais importância detém, é o mistério.

 
BARES AMAM ÉBRIOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Edgard, à tarde, a ébrios

 

Ébrios amam bares, neles

sede imortal derramam

 

sob atônita emanação

de hinos atonais

 
Escrevi algo sério que pareceu provocativo nas páginas valorosas de O Monitor PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Escrevi algo sério que pareceu provocativo nas páginas valorosas de O Monitor: que ninguém no Brasil sabe o que é poesia. Os milhares de livros ditos poéticos dos milhões de (mau) ditos poetas são outra coisa. Outra coisa apenas parecida com poesia. Escrevo muito (mas não o bastante), cerca de 12 a 15 livros a cada ano, desde que me instalei na cela (com cilício) do Mosteiro de São Bento, e agora no Castelo, em pleno acme da colina Quilombo próxima à Magano, a 1.080 metros acima do nível do mar de Boa Viagem onde vivo desde 1960. E onde fica (Av. Jequitinhonha) a Biblioteca Borges com seus (meus) 10.000 livros, ambiente que o artista garanhuense Daniel Santiago diz ser um poema ambiente para visitas dirigidas... de tão estranho, inusitado...e intrincadamente (des)arrumado. Em 1912, publiquei poucos, apenas nove: Ora pro nobis scania vabis, Ave sólida, Bando de mônadas, Crepúsculo do pênis, Kant não estuprou a camareira (foi firula do Lampe, o mordomo) Borges (Jorge Luís, portenho) e Eugénio (de Andrade, luso), Me mostre seu cu, A eternidade é inútil e Silo de silêncio, paiol de solidão.

 
A DIALÉTICA DO PLENO E DO VAZIO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Entre o impensado (o que não pode ou pôde ser pensado) e o impensável (ainda) corre uma dialética precisa. A do vazio e do pleno, da imobilidade diferença.

Entre o sujeito (eu, caniço, pensante, existo logo sou porque penso, pensando sou – só pensante, ou... etc) e o outro (impensável pensando) que não é nem sujeito nem objeto (do sujeito ou sujeito do objeto) mas é um (ou outro) outro, algo oculto, não morto, que é impulso, pulsão, navalha, bisturi, punhal, elã, vital instinto, violência, energia superconcentrica, desejo imortal, em suma: id. Eros e Thanatos amando-se. O id onipotente, onipresente ubíquo, total (deus). Entre esses dois extremos o anel da poesia.

 
A POESIA DE VITAL CORRÊA DE ARAÚJO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Rozineide da Silva Lopes

Graduanda em Letras/2012

Tentar entender a poesia de Vital Corrêa de Araújo é, como afirma Rogério Generoso, estar nu para comungar o que ele desencadeia; em outras palavras, como diz o próprio Vital, é ler sem observar a mensagem, mas sim sua forma.

Iniciei a leitura da obra Ora Pro Nobis Scania Vabis, a caminho do trabalho, para onde gasto cerca de 40 minutos indo de carro (Moro em Barra de Guabiraba e exerço a função de professora numa escola do Engenho Progresso, município de Ribeirão; tenho que ler nesse trajeto porque disponho de apenas 3 horas diariamente - das 15:00 às 18:00 -  para cuidar de tudo, inclusive de um rapazinho de 5 anos que Deus me presenteou como filho e a quem devo a maior parte de todos os meus esforços.),

 
A MORTE ETERNA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A morte é um caminho impercorrido pelos vivos.

Só aos que o sopro abandona dá-se o privilégio de conhecer essa senhora sinuosa mas severa, incontível porém cuidadosa, sobretudo astuciosa.   Ou somos nós que não valorizamos essa tão velha dama impiedosa? Damos à morte muitas razões, vário motivo, facilidades sem conta, desculpas imperdoáveis, para que ela nos leve a seu reino triste, inconhecido mas possivelmente doloroso ao extremo. Se Deus, tão abnegado e propiciador audaz, nos deu a vida, foi para ser vivida, nunca desperdiçada, trocada por tostões ou biscoitos, num escambo bursátil arriscado. Em paixões amorosas idiotas liquidada a troca de lágrimas ou ciumadas sem dentes.

 

 
2. ESTRANHEZA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   


2.1. ESBARRANDO NUMA ESTRANHA POESIA

Aceitei sem rodeios a proposta do professor para analisar algumas obras de Vital Corrêa de Araújo, não imaginando quais caminhos iria adentrar. Fiz uma visita ao blog de literatura e deparei-me com um dos poemas escolhidos e postados pelo nosso anfitrião virtual e fiquei estagnado e comovido. As metáforas utilizadas com muita técnica e rigores intrigantes do autor me causaram uma estranheza. Uma linguagem bastante aguçada, abstrata, densa e apesar dos poemas serem de versos livres estamos perante uma obra clássica. Quando afirmamos que não havendo imagens não pode existir poesia, então, dá-se a entender que Vital Corrêa de Araújo é abarrotado por ela. Por que seus poemas mais parecem uma mistura de Pablo Picasso, Van Gogh e até os quadros surrealistas de Salvador Dali.

 
VISÃO DO REACIONARISMO POÉTICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

VCA

Os movimentos (mais contrários que complementares) anta, corrupira, verde-amarelismo, pau-brasil e cia enfraqueceram (e vieram para isso), estreitaram ao invés de alargar o modernismo de 1922. Desviaram. Foram como que uma sorte de manobras diversionistas triunfantes. Bem urdidas, mesmo que subconscientemente. E de desvio em desvio, de gota em gota reviveram (o inativado e anacrônico, a água passada) o rio morto (mas não enterrado) do parnasianismo. Reanimado. E sem ânimo moderno. Até hoje (2013). A “evolução” ou revivescência artificiais do velho, superado e teimoso parnasianismo decorreu de uma questão ideológica. A que tinha por fórmula deter o Brasil. Que de país do futuro virou país do passado. Rico ou não.

 
NOVO PRÉ-MODERNISMO BRASILEIRO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Não sou crítico literário felizmente. E não o sendo posso trabalhar livremente meus conceitos e preconceitos (estes em número bem maior que aqueles) sobre poética, tal como a vejo, sinto dever ser. Como são parcos os críticos e mesmo parciais em sua “parquidade”. Contaminados pelo contágio parnasiano sedutor, impregnados do vírus da forma poética externa (ou mecânica) de contagens de sílabas e eclosão artificial de rimas obrigatórias e em tais e quais exatas posições, que darão ritmo metronomal ao poema etc.

 
CONTRA O MODERNISMO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

VCA

Tacham os tais reacionários atuais Mário de Andrade, chefe do modernismo radical (ora de 1922 originou-se, brotou o único modernismo), quando na realidade Mário de Andrade foi corifeu do modernismo real, ultrajado, vilipendiado, combatido, desde o início e continuamente pelos que o não aceitavam, até enfraquecê-lo, dividi-lo e a partir da Geração 45 derrotá-lo, suprimí-lo.

 
NOVOS PARADIGMAS DA POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

MÚSICA E POESIA

 

Por mas que tentamos, filósofo ou amadores da metafisica, pessoas cientes de que sua consciência excele, e são potentes à vitória (quase orgásmica) de pensamento sobre si mesmo, é inviável decifrar a existência.

Não havemos de deslindar o mistério dos fenômenos centrais (como a consciência em si independendo do corpo, em minha especial acepção a respeito) que existem fora do orgânico.

 
A ETERNIDADE É INÚTIL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(CRIAÇÃO DO HOMEM DERROTA DE DEUS)

 

Não há porque duvidar

da severidade humana

mas porque duvidar

da humanidade do homem

 

 
21 GUN ROYAL SALUTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

THE RUBY FLAGON

(Assinado por Chivas)

 

O uísque (blended, não single malt) Royal Salute, “amadurecido – e amadeirecido em toneis carvalhosos, por 21 anos (e que quando o sorvenos deverá ter a idade de 22 a 25 anos), 40% de teor A, foi desenvolvido, pela Chivas e Irmãos LTDA (fundada em 1801), na destilaria de Keith, nas Terras Altas da Escócia, exclusivamente para ser o único scotch uhisky a ser servido (e sorvido pelos lábios divos da rainha e seus convidados monárquicos ou não), durante a coroação da Rainha Elizabeth II, atual rainha octogenária e ativa, em junho de 1953.

 
TIME IS MONEY PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

 

Viver é olhar uma flor. Com êxtase. E suficiente ardor. Viver para contemplar o néctar (que alimenta o pássaro e a alma).

E à sombra do rumor do milho e do vozerio da abelha ouvir o aroma do advir. E saber o que há nos matadouros. E nas mentes subhumanas. E sentir pássaros. Doce zunir de cortiços. Sentir como se fosse alma efervescendo. O sabor de um lírio ouvir com o espírito. Antecipar rota trêmula de borboleta. O êxtase das coisas beber. Com minúcia para ressaltar seu vão sabor. Ébrio mundo ungir (de dor ou morte por água austral).

 
POESIA E (IN)COMUNICAÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os objetos reais (mundanos, tudo o que é reificado pelo humano) não têm sentido em si. Têm uma forma material ou mental, mas, sobretudo, função (servil quase sempre), objetividade crua (e designe maduro), utilidade direta (move-os uma práxis pragmática). São meios para o progresso (sic) material (econômico-social), para sobrevivência física (individual) e como espécie (via sexo e luxúria do homem erotizado de nossa era).

 

 
(DES)ENTENDIMENTO POÉTICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Na página, mármore, poeta cinzela (plasma sígnicos sentimentos), lança nesse pétreo mar branco sua rede de metáfora, apanha o peixe-sintagama, e do cardume de significantes içado arma o poema, objeto terreno e alado. Ou sobre o branco da página se debruça, arranja o texto como quem a tela com tino pincela, mancha gráfica que sobre é o poema.
 
REPRESENTAÇÃO POLÍTICA: LACUNA, INSUFICIÊNCIA OU IMPERFEIÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A crise política no Brasil estava sendo adiada. Estourou, não. Começou a estourar. E não é econômica ou social. Ambos os setores vão bem, obrigado. É de representação política. O nosso parlamento (nos três níveis) é elitista e corrupto. Viciado em propina, nepotismo, favorecimento (tal como o judiciário, que não fica nada atrás – e é sobretudo corporativo, preguiçoso, soberbo e falido – veja a expressão, traje , poses retóricas e rapapés dos desembargadores e ministros (em especial, do Supremo). O executivo, os cinco mil e tantos prefeitos e governadores despedem mais de 50% das receitas em obras, licitações e investimentos duvidosos, correndo por fora a corrupção mais medonha, através de operadores (secretários e servidores graduados).

 
EXPLICAÇÃO A LEITOR (OU LEITOR): PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Reúno quatro tópicos, quatro pequenas

exposições centradas no problema

da metáfora, a partir de conversas, no

Retiro das Águias (espécie de éden da Mata

Sul de Pernambuco onde se situa, num

páramo perto do céu, o Castelo do Reino

do Reencanto e a casa do rei Donzé),

com o Professor de Teoria Literária da

FAMASUL, Admmauro Gommes.

 
A NOVA MODALIDADE DE RIMA DA POESIA BRASILEIRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Vital Corrêa de Araújo

O poeta incrementa a polissemia da palavra. Esta é sua sina e obra. A transferência de sentido é vital à poesia. Mestre da metáfora e doutor em aliteração, processo este, que provém de ritmo peculiar o poema e aquele, que embeleza a linguagem poética, impossibilitando a univocidade, graças à ênfase de plurissignificação que concede, Admmauro Gommes tem nos brindado com uma obra ensaísta e poética inavaliáveis.

 
<< Início < Anterior 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 Seguinte > Final >>

Pág. 48 de 54

INFORMA GARANHUNS

Jornal O Monitor

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Textos Agrestes