Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 29 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



MANDELSTAN DIXIT PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 30 Agosto 2016 20:37

A citação do poeta russo Mandelstan, no meu 2º ou  3º livro, dos idos de 1983, foi uma indicação de que não me curvaria a pressões para enveredar pelos caminhos comuns do verso medido e rimado, do retorno à forma herdada e conservada quase automaticamente por quem se diga poeta, hoje... e ontem.

“A matéria poética não se pode ou deve exprimir-se artificialmente, via palavras submissas a convenções. A matéria poética não admite ou necessita de forma e é desprovida de conteúdo. Somente pela simples razão de não ter existência fora da obra”. O poema começa e acaba no poema, nada fica ou vai além dele. A mensagem é o poema. A matéria poética – por ser poética – é sua própria forma. Como é intrínseca à poesia, não pode vir de fora.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar