Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 56 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



2 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 31 Outubro 2016 22:29

Já luz prolixo ocaso

dorme o páramo montanhoso sono

pesadelo do prado para

maçãs já sonham

 

 

então te desperto macia

para infinito coito à tarde lenta

(à sombra do último raio)

porque a eternidade é noturna

e o infinito pare o amor.

 

(Beijo-te olhos com luz dos lábios

tens sabor de nardo e luar amaro).

 

À sombra de maçãs sonhando

no corpo adormecido do prado

leito e campa, planície e pasto

sede e ébria água, sumo eterno

fagulha e racimo, amor  e morte

(em comunhão serena).

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar