Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 20 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



VCA POR ELE MESMO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 05 Dezembro 2017 22:33

Como a Valéry, os acontecimentos aborrecem VCA e perturbam severamente a atividade de combinar insólitas palavras solitários ou não.

O que resulta na disjunção de palavras acostumadas a casarem-se.

A separação e compulsão de substantivos amasiados há séculos.

Em VCA, poeta deve ousar e manejar, paradoxalmente ou não, insólitas e irreais atribuições de qualidades a um substantivo virgem ainda de tais predicados desastrosos e incompatíveis.

VCA considera de partida que todo óbvio é inconsistente, além de ulular.

Verdadeira e súbita romaria célere de palavras se instala num uníssono sem precedentes da boca da noite da página repleta de mandíbulas verbais (ao acaso dos dentes da hora).

E um vir-a-não-ser vem.

Arca de ventos como cardos nus abre-se como voo de condores andinos. De altitude alumiados. Sufragando cordilheiras de cera em rasantes vitais.

E vem daí, então, o conselho do poeta. Se entregue à resistência do verbo. Os signos não resistem à pressão do poema absoluto. À irresistível inelegibilidade precisa do poema de flutuante sentido, como borboleta serena.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar