Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 41 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



Poema que orquestre PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 05 Dezembro 2017 22:36

Deve-se buscar, sem hesitações ou rimas, sem sins ou nãos, sem mais nem menos, sem elucubrações de sentidos aproximados ou não, poesia de alta performance. Caminhos do absoluto poético.

Basta – ou resta reorientar o cérebro para resultados poéticos complexos, sacrificando poesia sorriso da sociedade, poema de sentido prévio pré-fabricado, fácil, dirigido a ordinário entendimento de leitor mais fácil ainda que busque no poema relatos, descrições e histórias de sentimentos, medos, frustrações e triunfos, senis ou não.

Não, nunca, jamais desperdiçar o potencial da palavra, realizando o poema exponencial e elevando o patamar da bendita incompreensão poética tal como não há na prosa com raras terras de exceção criativa.

O projeto da Poesia Absoluta é real, infactível ou não.

No fim das contas, zero (à esquerda do começo).

Não dê – irresponsavelmente sentido a poema, pois desperdiçará o potencial da palavra desrealizando a poética e desperdiçando a potência (in)contida da palavra...

Poema que orquestre a aleatoriedade do verbo produzida pelo desempenho do ID no campo da criação poética, que a lapida.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar