Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 45 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



CORPO PARTIDO TEMPO MUTILADO ALMA DEVASTADA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 09 Abril 2018 22:53

(poema filosófico e humano

rente à axila de anjo)

À Morte

Queda dos dias já submersos

na trama inamovível do passado

na pátina do que não cessa nem volta

íntima memória do abismo

(memória que resiste ao tempo e o devora

que suspende o fluxo e a deriva recupera)

busca ao tempo partido

(trânsito despedaçado)

a imagens tão nuas que olvido

abate como a pombo tranquilo

ao dissolvido instante onde não haja fuga

retorno a tardes consumidas

pelo voraz abandono, descaso das horas

a coisas do empedernido coração

imersão n’água antiga inacabada ainda

ao perfumado passado da narina ir-se

submersão vertical violento finir-se

introspectar-se da carne

compactar-se do espírito.

 

 

procura das sete faces inertes ou ermas

de máscaras gastas avessas

de atos e gestos que sacolejem o espírito

de enigmas maduros torturados abertos.

 

 

Sensação do incorruptível dardejar da vida

no rosto de cada nanossegundo

no poro de cada biela de lembrança

no pulsar do sangue sob guante

da emoção do minucioso reviver da trégua

dentes do incisivo tempo cravados

(como pregos no caixão) no osso insolúvel do espaço

onde medra paixão desesperada

impetuosamente à tona desencarnada

solta à súbita rajada das horas

força da farpa dardo do alvo boca da sina

impresumida trama

que o acaso delineia

a partir da data do choro

para a do túmulo

(campa definitiva

de toda criatura).

lince do olhar faminto panteras do espírito

em regozijo lento rasgar de tigres

(que se nutriam de nossas utopias)

animal do tempo em tocaia árida presa

do instinto que não separa hora do trânsito.

 

 

(O mundo existe para conduzir ao Livro

– um livro não começa nem termina, simula).

Mallarmé

 

Selvagem e ubíquo abate dos pêndulos

horas de areia desmoronando

tropel sem peias da besta cronológica

inaugurando o trânsito cruel das coisas

coração arrancado do escombro

víscera do abandono

rumor de fêmur do escuro esqueleto de Deus

exposta como fratura Sua sede da criatura

antes navegante ou ave, cesto de vento

vime do ar preso na ébria gávea

antes habitante

dos desnudos caminhos sem ventre ou rumo

incessante teu corpo atado a mim

por instantes de cetim

avaros momentos vitais impunes

pela comunhão infatigável das horas

pelos laços insubstituíveis do êxtase

pelas indomáveis cadeias da carne

 

 

apenas teu corpo agora partido

(tampo da bacia do tempo)

envolto em trevas puras

em panos do passado envolto

 

pássaro que o proteja

em seu voo hermético

casulo que leve a alma

à crisálida divina.

Teu corpo atado a mim

dividido, devastado

deus errante de teus olhos albergue

iluminando a nudez do mundo

(tornando-a mais ouro menos avara

mais prata menos tortura inata)

tua nudez guia

das horas longas

luz da noite nova

 

agora apenas teu corpo

prosaico, minúsculo, maculado

não numinoso, aviltado

pelo tempo profano

pela larva do escuro povoado.

atualizado em Segunda, 09 Abril 2018 22:58
 

Comentar


Código de segurança
Actualizar