Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 17 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



ASPIRAÇÃO DO POETA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 09 Abril 2018 23:53

Aspiro comunicar-me com a solidão

esse reduto – quase inacessível – do ser

(que não é ocidental ou dissimulado)

onde te municias para a dor ou o amor.

(Essa terra de ninguém

ou ilha órfica

lugar ignoto do coração

chão de rebeldias e lampejos

antro de devassidão, púlpito

de onde a alma se lança aos céus

e o corpo bebe

dos solitários sais a imensidão).

Noite longa acata

sombras e máscaras

além de prostituta de prata

(que o ouro do desejo corrompe)

ou orvalhos sutis que lua breve

eternize na taça.

 

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar