Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 51 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



POESIA E (IN)COMUNICAÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quinta, 12 Abril 2018 19:10

Vital Corrêa de Araújo

Eliot: o poeta fala a ninguém. Ulisses é o leitor.

Falar a ninguém é usar a linguagem sem nenhuma intenção comunicativa (imediata, finalística). A comunicação é com o leitor (competente e não hipócrita) e não com o mundo.

O sentido preciso, exato do poema não é essencial, é residual.

O leitor de poemas entende formas, não atos da linguagem.

Detesta fatos aborrecidos.

O leitor é subentendido. Uma espécie de duplo do poeta. Alterego-id.

A linguagem poética aspira ao essencial, à expressão concentrada e densa (espessura não opaca), a uma forma fechada e diferente da antiga, que a preserve da contaminação prosaica, de modo que o viés comunicativo não predomine, que o dizer algo não seja o objetivo, o fim, desiderato do poema.

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar