Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 38 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



CORAÇÃO VERBAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 14 Maio 2018 18:47

Centro e ventre de um caminho enraizado numa das culturas mais antigas e complexas, mais poderosas e atuantes (a marrana), em que o sentido da presença e o alento

da palavra são alicerces e símbolos do mais alto, a poesia de OB, despojada de tudo o que não seja o átrio de si mesmo (criatura) e o umbral do outro (irmão do mundo), floresce explodindo pétalas de sílabas e estrelas de leite, indiciando o porvir, atravessando o presente, como um tiro na memória do tempo humano para despertá-lo do êxtase do provisório, do sono dogmático (ideológico restrito) e da ortodoxia que transige com o passado, que é túmulo.

 

Esta poesia densa e sincera centra o coração do verbo no alvo da alma, a quem busca como ao rebrilho (a imagem palimpséstica), lapidado de jaças, óbices, dores passadas, com os jaezes do mistério e o sentido do futuro tremulando na mão lírica do poeta como uma bandeira que os ventos estampam no rosto do futuro.