Murilo Gun

Admmauro Gomes

Quem está online

Temos 71 visitantes em linha

Assista

Siga-nos



O POEMA DECLINA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quinta, 07 Junho 2018 20:13

O poema declina

de toda responsabilidade

com leitor casto, inocente, imediato

voltado a sílabas ou colisões de sons finais

não votado ao objeto

desenhado pelas palavras.

Leitor preocupado por

palavras precisas

bem colocadas, encastoadas, eucásticas

familiares como uma cadela d’água

o poeta declina

de qualquer responsabilidade

com leitor canhestro, exausto

ante a primeira palavra que desconheça, encanto

leitor bem comportado incapaz

de ousadias exegéticas (o que é isso?)

leitor culpado pelo bom gosto exato

asséptico pasteurizado

vespertino leitor coitado.

 

O poema declina como céu no pátio

inclinando para o alto do tempo passado

a cordas e trapos

pois poema não educa, mancha

não purifica a página, perverte-a.

 

Ante aturdido céu que que declina

pátio parece chão de estrelas

em cachos

pedra educada e alta

é lua sacrificada

em nome de namorados

lua desenhada para sáudio

de serestas sem data.

 

Haverá poesia enquanto

o desconexo, a impossibilita

que a impregnam de verdade escura

ponteaguda, não comensurável

sem rendas ou mesuras românticas

pulverizadas de cáusticas auras

pobre de esgotos de imagens.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar