Murilo Gun

Quem está online

Temos 10 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
VEIO DO SAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Garimpo o sal, a carne

no veio da terra, o barro

ébrio e a plástica do sopro

 
POEMA DE AMOR VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A ilusão tem garras (e dura como o podre)

seus dentes são fundos (afiados como a náusea)

quimera astuta e faminta me espera

 
PORMENOR DE TERREMOTO - (OU RUMOR DE FERRO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O meio-dia é pleno de sombras

que do trote da luz se geram

e pelos prados do céu da página

 
TRATADO VITAL DA POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras

Especializei-me (horas de intervalo de aula e frios fins de semana de Heidelberg, nos últimos 15, 20 anos (a fio), em ler e defrontar, como se eu a escrevesse, a poesia de Vital Corrêa de Araújo (VCA).

 
POESIA É PARA NÃO DIZER, MAS SEMPRE DIZ PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Verbo de Barro pode ser "entendido" levando em consideração duas vertentes que no final se convergem. Uma é como se fosse um longo poema.

 
RITO E ACASO (GÊNESE) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

CENA CRUCIAL

Mergulho na voragem, do báratro do espírito busco

sêmen puro do infinito (raízes do nome)

 
ALGUÉM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Alguém tem meus cílios leprosos

alguém fechou-me as pálpebras velozes

as portas, as caixas, o futuro

 
SER E TRÓPICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou áspero, duro, infinito como o cacto

lixa árida, graveto cônico, árduo e cavo tronco

sou rural e a canção da vaca tange a minha rede

 
A SORRELFA OU SOMBRA DE DÚVIDAS DE VCA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sonhei um rio esquecido

de margens réprobas

atravessado de talvezes

 
BÁRBAROS VIRTUAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Hoje os bárbaros destroçam a sala de jantar

mas cremam poesias, não poetas... ufa!

A poetas não incineram, castram, emasculam

 
PRECES SEM MARFIM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O âmbito dessa vida tão surdo

torna-nos nulos. Abrigados da intempérie

perecemos, a alma exausta retira-se

 
MINIMANIFESTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Se o mundo cobra sentido

da Poesia Absoluta é que exige

do mesmo modo a alienação produtiva

 
VELHA REVISTA DE POESIA NOVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Durante três anos, editei (no início com Paulo Bandeira da Cruz) uma página dupla, aos domingos, no Diário da Manhã.

 
MODO DE VER DA PALAVRA POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A diferença do modo ocidental de vida da palavra-sempre preparada para amoedar o significado,

 
ESTADO FINAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Córregos de infiel mel e fel fiel

pássaros carregando

nos ombros melodias à tarde

 
ÂNFORA EFÊMERA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Encha-a e verta)

Com duas andorinhas criar

só um verão (o mais longo)

 
BUSCA ÍNGREME PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Busco pelos íngremes

ângulos do meu rosto

pelo sulcos acres

 
SÍLABA DE ESTRELA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Atravessei celibatos de abelha

o cálcio do coração demoli

no périplo sem limite de palavras

 
03/10/2017 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Escrevi ontem um poema alcoviteiro.

Estava em desuso e a barba parecia duas navalhas cegas.

Estava me discriminando muito e me acotovelei

 
19 HAICAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(21 de maio de 2015)

Do outono do crisântemo

Ao inverno farto das rosas

 
A TODAS AS NÁUSEAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Sartre

Ao limbo do silencio branco.

Silêncio  não é impotência.

 

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 6 de 36

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes