Murilo Gun

Quem está online

Temos 21 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos

Textos Agrestes



PoesiAbsoluta
POESIA ABSOLUTA, O QUE É ISSO? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quanto a leitor de poesia absoluta, parafraseando o divino peripatético, o demônio estagirista, ele não é leitor qualquer, mas quem é cultivado nessa matéria.

 
Quanto a leitor de poesia absoluta PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Parafraseando o divino peripatético, o demônio estagirista, ele não é leitor qualquer mas quem é cultivado  nessa matéria.

 
HOT HOME PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A experiência do poeta é absoluta impotência pessoal, é pura desidentidadização... e intranquilizadora.

 
BORGES LEITOR E PROLOGUISTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A prosa deslumbrante, surpreendente, inconfundível de Borges, com seus requintes estilísticos, sua temática labiríntica e ângulos inusitados de abordagem da realidade – para ele,

 
CIORAN: O SUICIDA FRACASSADO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A santa insônia, a imprestável lucidez e Deus, carrego-as como um burro, tempo afora, pelas estradas esburacadas da vida. Trata-se de VCA.

 
SEM HÍMEN (E SEM CABEÇA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Todos os que me leem, hoje, trocamos de século e milênio, o que só se repetirá daqui a quase milanos (988), e isto é um raro privilegio, a poucas gerações concedido.

 
BUSCA POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Se a busca da poesia absoluta é para integrar leitor à irrealidade, isto é, afastá-lo do imediato real ordinário, falso, aparente, imutável, ela é, no entanto,

 
DA UTILIDADE POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(CRÔNICA DE VCA PARA O FACEBOOK)

Por que um poema nos dá prazer, nos proporciona êxtase e viagem, embora destituído de mínima utilidade?

 
SOBRE POESIA NOVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Não se trata da busca do sentido perdido (ou abrir a vital arca do significado), mas de perder os sentidos, ocultá-los, tornando-os indecifráveis, isto é, não fáceis, desimediatos, dá-lhes o resplendor do mistério.

 
ELA (QUÂNTICA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ela era íntima da geometria do tempo

e apreciava estados quânticos do espaço.

geômetra dos dias e das noites bebia galáxias.

 
POEMA SEM VENTRE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

ao útero do hino

aos rins do solilóquio

ao coração da tâmara

 
VERDES BARONESAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Baronesas cruzam

em procissões flutuantes

pomposo cerimonial

 
UM RETIRO PARA A ALMA F. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ao ver o carnaval chegar, apressei o passo para abrigar do frevo a alma. Buscar um retiro para ela. Cuido bem da alma, nino-a, dengo-a muito, não a deixo entregue ao deus dará da festa sem coração que é o carnaval.

 
JORGE DE SENA: INVENTOR DE LINGUAGENS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dedico a resgatar do pó, esmaecer a pátina rigorosa que encobre a poesia dos maiores poetas lusos do século XX, um do 3 ou 4 maiores,

 
ENTENDO PATAVINAS - (CARÊNCIAS DE SEROTONINA E SONO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A consciência é uma doença, diagnosticou Dostoiévski, em seu romance naturalista radical Memórias do subsolo.

 
COMO A POESIA NASCEU PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Na poesia, estabelece-se uma relação (ou compenetração íntima, cálida, complexa) quase sexual, porém inusitada, com os objetos (do mundo e da vida). É uma busca de arquétipos perdidos, pela palavra. O verbo no poema é um tipo esdrúxulo de Indiana Jones.

 
DO LIVRO ERMO E SÚBITO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A uretra do objeto era álvara, embora indecisa... e a verdade escura ainda como o coração da pedra ou o grito sonâmbulo apenas azul do enorme rumo que se abriu de um talvez qualquer como seda da boca mole do bicho.

 
LINDES DA POESIA ABSOLUTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia absoluta, isto é, de significação formalística ao extremo, distancia-se tanto da poesia popular quanto da hoje denominada culta (que é neoposparnasiana).

 
VERBO AMOR (E PESO DO SER) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Rápidas ou calmas, céleres ou lentas

apressadas e breves palavras

não voam mas pesam

 
POESIA É INÚTIL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Enterrado na eternidade.

Só a morte é eterna.

Óleos extremos (e santos)

 
DESEJO HUMANO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A Nox

Que excremento medre

brote penúria

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 8 de 62

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Instagran Usina VCA