Murilo Gun

Quem está online

Temos 30 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
HALOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os halos, alguns ritos, auras de rosas

e um tipo de auréola roxa

nos olhavam da escada

 
TECER, IRRESPIRAR E AMARO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os policromos músculos dos vitrais

as túnicas pegajosas de anjos rebelados

os estribus da demanda (além dos alicates de usura)

 
SOBRE VCA OU SOBRE O QUE SOBRE DE SUA SOMBRA NA OBRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ele, VCA, continua desintacto demais.

Acordei hoje novamente impotente

Cristalino, incrédulo, desconformado.

 
DE SERVENTIA POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Perfeitamente, sabe-se que poema VCA serve mais para repelir que atrair leitor. Porém, são poemas com vida e sopro de solidão.

 
O ENTERRO DA POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Na poesia absoluta, distinguimos detidamente a simplicidade da complexidade. Complexo tem enjem no latim complexus,

 
O QUE SEJA HÍMEN ERA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O que é o bendito (ou mau dito) hímen afinal?

Apenas uma membrana (película dérmica) postada (tipo guarda)

na entrada da vagina

 
PEÇA DE HINO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A imaginação literária em ato

o imaginário potencial do homem

atualizado em poema, realizando

 
PALAVRAS INAUDITAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Um dos poetas que mais li, o faço desde 1985, foi Jorge Guillén, espanhol.

 
MINERADOR DE INFINITUDES, O POETA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Inflamado de abandono (de feérica podridão assolado)

cadáver da palavra se estiola na campa dicionária

(velório de sílabas, urros lassos, à vela da sintaxe iluminados).

 
ESTÓRIA CARNÍVORA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Resolvera entrar para hostes pigmeias. Com sua altura, reinaria sobre um bom número tempo suficiente para ser.

 
PÚLPITO DE PÁSSARO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Pássaros octaédricos escaparam do púlpito e pousaram nos balaústres silenciosos de dezembro, que adereçavam o tempo.

 
ENTERRO DO TÍTERE RICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Assembleia oblonga de lágrimas

abria-se no aquário

À falta de lenços decentes do velório.

 
MAKTUIB PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

De súbito, subreptícia e abruptamente, vi

um eletrodo de capacete (meio azulado)

e gravata borboleta atravessando apressado

 
LEITOR NOVO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O poema absoluto constitui o leitor. Porque é algo novo no caminho (acidentado) da palavra.

 
SOBRE POESIA NOVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Não se trata da busca do sentido perdido (ou abrir a vital arca do significado), mas de perder os sentidos, ocultá-los, tornando-os indecifráveis,

 
A CATEDRAL EM NOVE ESTAMPAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

I

Homens fabricam lento crepúsculo

com utensílios de dias turvos.

 
SULCOS NO PERGAMINHO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

No poema é possível erguer sólido e lento

edifício de nuvens (nuvens de lírios)

e empórios de ar, além de oceanos lascivos.

 

 
VELHO SAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Alejandra Arce

À medida que sol adense, verticaliza sombras.

À medida que o sal avance, a veia cresce, mesmo intumesce

 
LÁUDANO E HINO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

à paciência dos dias

E a rua veia e mim

veia de mim vida

 
RETORNO AO SERENO (E TRANSITÓRIO) PARAÍSO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Segundo uma íntima e dolorosa amiga, a estulta a secretíssima Madame Mória, minha formosa vizinha da vida, velhos, como eu e tu, cara leitora, temos uma opção:

 
POEMA SEM FIM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Como o tempo, a montanha ou a colina)

O poeta nunca sabe se o poema terminou. Não há como fazê-lo. O poema é inacabado por definição. Conclusiva, só a prosa...

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 8 de 44

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes