Murilo Gun

Quem está online

Temos 18 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
REVULSOS MÚSCULOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

à inefável musculatura da alma

A cisão desvela vísceras.

À ruína de bispos ao cubo.

 
DEDICATORIAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A sodomitas o novo céu.

A poetas a frase lídima.

À moeda furada de César a vida.

 
ÁGUAS DO GOZO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

De pedra e espuma a vida.

De efêmeras e macias volúpias o ser.

De clamor da ruína

 
EXEMPLA - VCA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quando ganhei, pela terceira vez, o Prêmio de Poesia da Academia Pernambucana de Letras, declarei de supetão, aos jornalistas que me entrevistaram,

 
POESIA : FINALIDADE EM SI MESMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Conexão de encanamentos de palavras

para montagem de vasos incomunicantes

de sentidos com acoplamentos irracionais

 
A Verdade Poética PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A ficção é mentira. A poesia, fingimento das palavras. Tudo é ilusão e a rede Maya é cerrada filtra, o que não é material, prosaico, mundano, visível, intranscendente.

 
POESIA ABSOLUTA CONCRETA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou leitor de Jorge Guillén, desde 1980.

Seu livro Cântico (uma das dezenas de reedições) li numa noite – e reli, reli-o dez, vinte vezes.

 
VITAL E DIÓGENES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Marcondes Torres Calazans

Certo dia na Grécia Antiga, numa certa rua de Atenas, o filosofo Diógenes foi flagrado por seus conterrâneos atônitos com o que viam,

 
POESIA ABERRANTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A resultante da filosofia americana do século XX, a vertente pragmatista, que privilegia o senso comum, a vida prática, a ação técnica,

 
VAGO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Célere Teseu foge de Ariadne

fio do destino roto

à procela do amor abandona

 
PRECAUÇÕES GRAMATICAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Violações (sérias ou não) da correção gramatical são repulsivas – com exceções (eventualíssimas) de ocasionais licenças poéticas raras e puras,

 
LABORATÓRIO DO POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Pausas amadurecem

reses se imbricam em córneas e pastos

fezes se solidificam ao acaso úmido

 
A ÚLTIMA DECADÊNCIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Está-se a descortinar a 6ª revolução tecnológica da era contemporânea da pequena história humana (cheia de vicissitudes, aventuras, desventuras e crises de dor).

 
CANTO CRUCIAL (FRAGMENTOS DE NOVO KAOS VITAL) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Tonéis de tristeza derramando-se

sobre olhos minerais atiçados da sede da visão

e corroídos do rumor bursátil da tenda citadina

 
SILÊNCIO: CONTEMPLE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Gosto de contemplar o silêncio. Adoro quando ele me dá bolas. O silêncio só é masculino gramaticalmente. Gozo com o silêncio.

 
POETA HERMÉTICO, E DAÍ? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras
Há décadas persigo a trajetória de Vital Corrêa de Araújo, em especial, no rastro dos livros Só às Paredes Confesso e Palpo a Quimera e o Tremor,

 
NÃO DEIXE QUE LHE TIREM ATÉ O SEU CACHORRO-QUENTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Este texto – cedido por um amigo, Prof José Rodrigues, palestrante, empresário (do ramo da ecologia),

 
EQUÍVOCA UNIVOCIDADE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quanto mais unívoca a ligação entre significante (parte fônica ou imagem acústica do fonema) e significado (conceito ou noção convencionada para representar o sentido),

 
VITAL ORIGEM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Às moradas da noite irás

de sua seiva-greda embriagada- provarás

das nascentes da morte vens

 
RECADO A MORIBUNDO AMIGO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Que o velem as leves oliveiras (mesmo que já lívidas)

e logo agonizante azeite esgote

que incensos noturnos avivem seiva moribunda

 
(NA FORMA POÉTICA NÃO HÁ LUGAR SUBJUGADO PORQUE AS FORMAS SÃO DA ORDEM DO DEVIR) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia de Holderlin é um devir perpétuo (dixit mestre Jean Baudrillard).

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 10 de 26

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes