Murilo Gun

Quem está online

Temos 24 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
SABOR (DE MIM) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Saber que a poesia conversa com árvores

e na campina do silêncio vespertino

leito de estrela d’alva acasala

 
ANTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ante a 13º folha branca chego

ao amparo de um cubano charuto (cinza)

e 12 doses da metálica vodka danzka (líquido).

 
DE VENENOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A alba é venenosa. Ofídica, nada pressurosa.

E como rosa se vai

como rosto corrompe-se

 
O SÃO JOÃO DA CRUZ ARDENTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Amor cala. Não amordaça.

Luz invisível e silenciosa contenta.

Da ardente iluminação do silêncio

 
POÉTICO MYSTICHE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia independe de linguagem pública.

Vez que não é oficial. E ela vela o íntimo.

Do ser e do sendo.

 
TEMPO: ILUSÃO MEDIDA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Noite esparramada contra o céu

“como um paciente anestesiado sobre a mesa”.

T.S. Eliot

 

 
VIVA A PENÚRIA E O DESODOR PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Toda a sequidão do ser serve (a quem?).

O árido é furioso. Funesta face seca.

A crueza da luz. Não impede a sombra.

 
POESIA DE SI PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou o fim só o fim do começo?

A poesia de VCA cria sua própria

(e vária) forma. Rejeita fórmulas.

 
ALTIVA SERVIDÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ama o doce macio e a sombra fresca

do milho (a bonecar o brilho)

devoto da mística inconsciência

 
BODAS DE ADÔNIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ao conúbio de Adônis

touro de açafrão vieram

e éguas lusas com selas de madrepérolas

 
COLÓQUIOS ESQUECIDOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quem abriu (e não fechou mais)

as veias (sórdidas) da cidade sem sal?

Por que caminhos?

 
INTERMEZZO DANZKA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Olho o copo de vodka e sigo o caminho do lábio

ávido linhas afora inumerável e uno, vital

e sempre desrumo em frente.

 
PERSEGUIÇÃO DO SER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O ser, raramente dado sempre conquistado

aterra CIORAN, merece a honra de uma

maiúscula... não por sua máscula

 
VARIEDADE DE VERDADE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(DA HORTA FILOSÓFICO – POÉTICA)

Manhãs de porcelana meio-dia despedaçou

em trastes de tarde

 
SÍLABA DE ESTRELA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Atravessei celibatos de abelha

o cálcio do coração demoli

no périplo sem limite de palavras

 
CIO DO SONO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Aquele mamilo adolescente

que eu manipulava com apreço

não me sai da rima

 
VERDADES DIURNAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O etéreo (e seu empório distante)

não se digna de inclinar-se a nós.

Pobres humanos, criaturas da penúria.

 
O PERMANENTE PODRE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O rosto já não resiste

à hora que o sulca como trator.

O pranto já não umidifica

 
PERGUNTANTIGA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Que fonte pressente a face

ou sol se amoita no peito

entre urzes das lágrimas?

 
A LÁBIOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os lábios espessos do outono

perdem o viço

acrisolam o corpo

 
IR E SER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Fui a todas as sombras (da vida)

interrogar moedas. A fontes renunciei.

Vivi de deságios. E de usura morri.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 2 de 24

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes