Murilo Gun

Quem está online

Temos 53 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
VÍRGULA E LAPSO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Válvulas suculentas do coração

de volúpia acrisolam-se

o veleiro das artérias aderna

 
WEEKEND PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Visitei as destilações da alma

dos alambiques do coração bebi

aridez e coivara, vi a lua arrulhar

 
MEU EVANGELHO É A NOITE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A noite é meu evangelho, a pureza de que sou fruto vem dela, da intemporal noite vital, da mineral noite arcaica, rupestre e de suas carnes circulares,

 
QUE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Que veio não cesse

para que siga

adiante a messe

 
CREPUSCULÁRIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Crepúsculo tigre metálico multifacetado

gato que lambe saguões e insaliva ratos

onça ligeira devora párocos

 
A MORTE É UMA MULHER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A morte é o nosso outro. É um ser

(a morte) imortal (como Deus que a criou

do mesmo barro da vida, porém

 
SER E APODRECER(-SE) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

à morte, potência maior da vida

e realização final do homem

A volúpia do ser é morrer (última rima vital).

 
POEMA D’ÁGUA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O lume da água afia-se

a foice do orvalho acende

a cor das rosas e puro

 
ESCAVE LOGO SEU ID PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Escave seu id diariamente.

Sem a pressa que aniquila o verso

mas não descure dessa providencia

magnifica que o salvará

 
IRRESSURREIÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Há uma insurreição em mim

de antigos e devolutos textos

não das terze rime, mas versos libres.

 
NOITE MAIÊUTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dos úberes da noite, bebo prodigiosa vertigem

Sugo vertiginoso ego e anulo. Vou

a nus recônditos de mim, à luz do verbo noturno, sigo cego ou não.

 
OVISOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Não vá a águas

moles como relógios de lã

não apeie surdinas

 
OUTRO POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

De que é feito o esquecimento?

Que matéria escura ou átomo de desmemória

o contém?

 
TORSO DE DEUS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O Torso de Deus é de água, luz e estros de mármore

de relva amanhecendo e canção.

Colinas são os joelhos de Deus.

 
CAMINHO PELO ACASO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Percorri o acaso

seus ângulos súbitos, práticos

e nômades cubos inabomináveis

 
VISÃO FINAL (DEFINITIVA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

À mãe derrotada da bastarda vida

Vejo hospitais esclerosados agonizando, úlcera

das enfermarias alastrando-se

 
LEITOR VITAL (E O MELHOR VERSO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou um leitor cansável de poesia. Comecei aos 7 anos com os sonetos do meu avô Manuel Florentino Corrêa de Araújo, juiz de direito e viúvo,

 
VERDADE CONFESSA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Onde está a obra de máquina em que chip ela esconde?

 
PRÉ – TEORIA DA POESIA ABSOLUTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Heidegger, já despeitorado – em paz com o recém - passado infame e a consciência cívica (em 1935) – dece curso sobre os hinos de Helderlin A Germânia e O Reno,

 
SOBRE O AGUDO ENGENHO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A agudeza literária, segundo os lógicos, é uma engenhosa expressão, ou do conceito ou do pensamento,

 
EXPOSIÇÃO SINTAGMÁTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Uivo de hiato, sílaba solitária ou ébria

como vareta violenta da bucha abatida

escondendo poção plúmbea

 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Seguinte > Final >>

Pág. 11 de 19

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes