Murilo Gun

Quem está online

Temos 9 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
O RIO LENTO E VORAZ DO TEMPO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A água ou não horária (o rio ou não cavalo)

solta-la para que não assole a aura

(de lento) a sala intemporal da alma

 
SALMOS PÁSSAROS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Estábulo e demiurgo, exegese de

pedra, corcel espumando entre cardumes

de rochas ancestrais, expressão e

 
FIDUCIÁRIAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

destino é carnívoro

É dos postigos fechados, das cornijas sem ventre

dos tímpanos dopados e do ubre dos abismos

 
POR OUTRAS RAZÕES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

“As sequências linguísticas são rebeldes”.

 
ÓS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ó tênue lingerie de Messalina!

Empodera-te-me.

Nenhum homem é nu.

 
SOMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Da fratura da linguagem

de sua cisão e nudez

do sulco que a escava na página

 
VERBAL MOEDA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

ao professor e rei Dom José Rodrigues

Moeda de rumor dorso

do livro habita.

 
CINCO TERCETOS DE PALMARES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Caminho pela tarde imaginária

descendo de hunos e coivaras.

Das horas perdidas vestígios fumegam

 
EPIGRAMAS COM FIGURAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Vi Anaxímenes ébrio

do hálito da natureza afirmando

que ser é éter

 
DO NOME: DE NOMINAÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O nome nunca é das coisas.

O nome é o nome. Do nome.

Nem as coisas é... o nome.

 
CRÔNICA LÍRICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quando escrevo sinto delírios de abelhas.

Estou numa praça rasa de Recife. Vejo cães.

Alinhados perambulando (a coleira em riste

 
A SOLILOQUIAR VOU PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Confissões do poeta)

A soliloquiar voo, pássaro sutil

de canto inclinado ao levante

 
POMAR DO APOCALIPSE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Tratos primários, rios intestinos

atmosfera em fúria, decibéis úmidos

elementos revoltos, céus desatados

 
NOTURNA MÚSICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O lume mensageiro

luz dilúcida, oblonga seiva

olhar de lua, breve redondo

 
SITUAÇÕES NUAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Teu mármore imaturo

tornou-se areia branca, Lorca

Valham-me nesgas, frinchas, grotas, gruas

 
EXORTAÇÃO A MÚSSIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Abandone, amiga, cara Mússia tão in-

trigada consigo mesma, abandone, dura

leitora, seguidora inaplicável, os escrú-

 
A NAZIM HIKMET PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

ao filósofo Marcondes Torres Calazans

a quem ofereço a metade vermelha do meu coração

Apesar dos tapumes

 
SEBASTIEN JOACHIM ALTO LITERATOR PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Fiquei extático, catártico, eleático, vital, com sua performance, abismático schollar.

 
COR DA COVARDIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A cor da covardia é política et poluta.

Águas tenebrosas que a secretam são velozes.

E a abissais profundezas de intensos vermelhos

 
LAVOR DE JOELHEIRO VERBAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia exige frases lapidadares (lavor de de joalheiro verbal ou economia de lápide). O verso não deve faltar ou sobrar.

 
ESTRANHO OLHAR ESTRANHO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Olhar de estanho

entranhado de espelhos

cegos como noite vândala

 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Seguinte > Final >>

Pág. 13 de 44

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes