Murilo Gun

Quem está online

Temos 28 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
LUA DE CASCALHO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Descobertas da neoneurociências

absolutas localizaram novas

substâncias nos estrates inesperados

 
DOS OLHOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dos olhos da noite vem luz original.

E a elementar treva. Vígil, astuta, insone, vaginal.

Tarde não tem alma.

 
CATS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Da ágil noite nômade ilumina gritos, apuram unguentos

rastros carnívoros desenham no rumo dos ratos

das alamedas gementes rastreiam faros

 
DÚVIDAS À TARDE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dúvidas são ruas e rasgam o rosto do dia.

Dádivas são fontes do verbo, leitos da lua vazia

mananciais sem nome, seivas vãs, licores tristes.

 
VOZ AGÔNICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Voz agonizava na tarde ébria

bêbado verbo aguçava ares

bares armazenavam sede

 
DEUS AO MEIO-DIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Como Uivo de ágata

horda de pedra ecoa das ocas casa da tarde

acordam perfumes graves plenos clarins de baunilha

 
À SOMBRA DO ÚLTIMO SOPRO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Ao pó em que se tornou o alento)

Lançado como data de ferro sobre o nome

(lauda de pedra anônima, lápide derrotada

 
ÀS BARATAS REPUBLICANAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Da petisqueira de mãe bê

e dona Isabel Cavalcanti bisavó de MVGUN

Baratas saudaram a républica a república da cristaleira

 
ÁVIDA VIDA LÍVIDA FACE INFÍSICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Todo poema lança na lauda

flores amortalhadas

além das rosas de círio da alma.

 
DUAS PASSAGENS DO ÉDEN POÉTICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Poemas em que esgrimam ambíguos leitores

prélios insensatos de alfanges ermos

nus de que poetas constroem catástrofes

 
SINOPSE DO ROMANCE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Este poema começa na página quatro.

As três primeiras (e a zero) perdi-as

quando transcrevia do borrador da alma escura

 
A ADAMANTINO HORIZONTE RIGOR DA OBVIEDADE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Jovem gueixa foge como gamo nu

lua chinesa em maio espreita

louva-a música dos gumes afiados

 
POETA E LEÕES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Leões estraçalham crepúsculos

farejam auroras, lambem leves

púbis de gazelas enquanto

 
LENTO CÁLICE DO ROSTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Endereço dos destroços não importa

nem corrente de olhares fuzilantes

ou a métrica rastejante da Quimera

 
ROTAS ROTAS DA ALMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

ROTAS ROTAS DA ALMA

DA ALMA ROTAS ROTAS

(SONETO NEOPLATÔNICO)

são rotas arruinadas

 
AMOR A SÁBADO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Amo sábado e sua sede nômade

manhãs beduínas e loucos relicários

(além da certeza branca dos domingos).

 
TODO FRAGMENTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Toda a profundidade do veludo, toda

a fresca devoção ao ocaso, toda

a espessura do crepúsculo, toda

 
ARREIOS, URNAS E BOLHAS DE WALL STREET S.A. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Ectábana

ao paralaxe

e aos patíbulos de ouro

 
TRÊS POEMAS CONTÍNUOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Júbilo é verbo vaso e nulo

vazio o quanto o espelho

do poema importe

 
DEDICATÓRIA PRIMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ao acaso dos cães

à final partilha dos ossos

(aéreos ou não)

 
VIDA BREVE COMO A LOUSA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Tão breve o corpo (a alma calma)

tão leve e frágil que ao último sopro não suporta

desaba... desaparece

 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Seguinte > Final >>

Pág. 17 de 44

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes