Murilo Gun

Quem está online

Temos 23 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
DEDIQUE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dedique a fogo amor humano

como a ratos do porão sepultura

do capitão

 
CESSA A PROTAGONIA DO VERSO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O impassível crítico e ensaísta dos melhores da atualidade e professor de literatura comparada em Genebra, Georges Steiner

 
AUGUSTO POETA ABSOLUTO DOS ANJOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

É AA o primeiro poeta absoluto do Brasil, nos moldes e arcabouços conceituais desenvolvido por professores e alunos da FAMASUL (complexo universitário municipal de Palmares-PE).

 
A POESIA DEPOIS DE ELIOT PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Adorno indaga: após Aushwitz, para que poesia? E eu: após 1922, para que poesia? Ou prosa?

 
LABIRINTO (DESCRIÇÃO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cinzas (ou pós) caíam

ao limbo da manhã engaroada

da porta do ínvio elemento.

 
OBSCESSÃO DA POESIA ABSOLUTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A Poesia Absoluta recusa – e é peremptória (abomina o conteudismo como finalidade da linguagem como ideologia que faz veículo da palavra)

 
O RENGA DO CINQUENTENÁRIO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Na corte imperial japonesa da era Heian, nos já tão idos aos 800, era praticada, e com freqüência, a forma poética renga (poema encadeado),

 
CLARIDADE MORTA (UTOPIA MECÂNICA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

À rubra claridade de outubro

junte-se clamor pelo escuro

que alma dividida habita

 
CONFISSÃO DE ODISSEU PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

À terrível e longa, à naúfraga Ítaca sigo

no barco enlouquecido do rumo ermo e divo

não busco devasso corpo da lúbrica Penélope

 
PRECISO É LEVAR O CAOS (TRAZÊ-LO A NOSSOS SENTIDOS) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Só máculas reinarão

caiam a cruz e o zelo

Preciso elevar o caos

à potência do cosmos

 
PERSE VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O frade Bruno Palma, o maior e melhor tradutor e crítico de Saint-John Perse no Brasil, o Prêmio Nobel francês alcançado graças à obra poética,

 
ABAIXO O SENTIDO COMUM REITERADO, BANAL, MESMÍSSIMO DA PALAVRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sinta o insentido

e dessentido seja

seu princípio.

 
AREIAS MOVEDIÇAS DA FILOSOFIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

ao filósofo Reginaldo Oliveira

O século XX foi pródigo em violência, guerras, mortes, holocaustos, extermínios: Hitler, Stalin, Mao, Kmer Vermelho, Pinochet, Franco, Salazar,

 
PERGUNTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Se toda representação da palavra é ilusória. Ficção, portanto. Por que não irrepresentar para chegar a algo real (não enganoso ou meramente ficto?). Ou buscar equivalentes. Os correlativos objetivos de Eliot?

 
VIVER OU MORRER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Viver é simples. O problema é se manter vivo. Precisamos ingerir nutrientes sãos, expelir excrementos mais ar inalar sempre (lógico que com oxigênio O),

 
O POEMA VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

VITAL CORRÊA DE ARAÚJO É COMPLETAMENTE LOUCO

Alberto Lins Caldas

 
POETAS E ROMANCISTAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Poetas e romancistas são mestres, conhecem

de fundo a alma humana. Pois bebem direto dela

da fonte do id se embriagam. Poço que não

 
TRÊS TROVAS ERÓTICAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Com tão minúscula tanga

toma cuidado, Mônica

pois não cobre nem a banda

 
DOR VIVE DE RESISTÊNCIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Há morrido o amor

que havia tanto em mim

que em mim tanto havia

 
POÉTICA E APORIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras

Na escritura poética de VCA é preciso renunciar a toda aborrecida montra teórica academicamente disponibilizada (criadora de críticos mecânicos)

 
CONVERSA COM LEITOR (DE PA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Não permita leitor

que a poesia o colonize

ou impeça a morte.

 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Seguinte > Final >>

Pág. 18 de 32

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes