Murilo Gun

Quem está online

Temos 13 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
DA SOLIDÃO REAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A luz da solidão é sólida

(não há solidão escura).

É o facho do sol tear da sombra

 
ENGRENAGEM TURVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sopra, ó engrenagens do divo universo

à narina do poeta o pó, não a ruína

que se apodere do rosto vate a cisma

 
UM OLHAR DE PALAVRAS SOBRE OS SEVENTIES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quarenta anos nos separam de um tempo em que os signos dominantes eram os BEATLES, o hard rock, o punk, a tribo gótica e alguma música calhorda de cotovelo,

 
DESTINO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Destino fez-se pó, pó e náusea.

Futuro tua ruína (leitora hipócrita).

O herói dura o tempo da queda.

 
HAVERES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Há ímpias abelhas nas petúnias

nos pântanos da alma fúria.

Há ânsias de abismos nas cerejas

 
FLUO A MIM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(capítulo do romance Asa vera)

Este poema é uma introdução a ti.

(Ou, como diria Admmauro Gommes, uma intradução).

 
POEMAS SEIOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Poemas não jamais serão

maviosas formas presas

(seios no cárcere das altas blusas)

 
GRANDES CONSTRUÇÕES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Labirintos de queijo para ratos

(inteligentes e famintos).

Arapucas com saídas.

 
O AMOR PERDIDO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dos eminentes salões do mar

naus micenas dançam

tangos contra Tróia.

 
POETA NÃO É QUEM MANDE RECADO DÊ LIÇÃO DE CÍVICA SEJA CIDADÃO MEDIDO PASSE A VIDA RIMANDO DELEITE ENSINE EDUQUE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Poeta que manda recado

fornece significado

é fornecedor, tem armazém, de sentido

 
VEIO DO NOME PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dos jardins severos das rosas estoicas

da greda (,) do degredo e do acerbo lume das cimitarras

da matéria das brisas, da solidão do poente, do vero da vida

 
ALÉNS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Além dos arquipélagos da pele

e dos sintomas árduos de estremecimento do coração

além das roxas voragens da voz

 
ANJO ADJETIVO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Anjo gentil, manso, doce, rilke

na alegria da glória imerso

farto da grandeza do esplendor (opaco)

 
MORTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A morte é vital.

Qual teu destino (qual a estação antes do inferno?).

As docas sombrosas e côncavas

 
VIDA:TEATRO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quem resiste ao teatro do adeus?

E ao enigma da natureza?

O útero é o éden, dele vamos à terra

 
MEU MÉTODO POÉTICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Pela primeira vez numa vida, eu (ou um poeta poeta) vai (vou) confessar, Expor, abrir à horda ignara, a intelectualoides e leitores vãos,

 
PENDÊNCIAS DO SER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Intranscendental

intranscendentando

trasmuto-me

 
POLÍTICA ÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A finalidade da ética – segundo os filósofos gregos, era prescrever ou estabelecer a felicidade individual (do ser ou em si).

 
BASES FILÓSOFICAS DA POESIA ABSOLUTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A consciência não é de dentro

nem de fora (ideal, material, issual)

é do ser total

 
MAIO SE LAMENTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Abril se foi, ceifou-me azul cruel

(do mais cruel ainda abril do verbo)

manada de rigoroso azul se dispersou

 
AMOR, AMOR PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Aos mares, a víboras, ao sal escuro das galáxias

a eras que virão, a venenosos porvires

e ao abismo das auroras pecaminosas

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 3 de 44

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes