Murilo Gun

Quem está online

Temos 40 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos

Textos Agrestes



PoesiAbsoluta
DO PROFESSOR CLÁUDIO VERAS DE HEIDELBERG SOBRE VCA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Em VCA, a arte está a serviço do absoluto, da verdade... e sua poesia estranha revela mais uma funda inquietação verbal do que uma firme convicção estética...

 
LÂMINA OU LABAREDA DE ÉREBO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Fazei de mim noite para que tochas uivem

à sombra dos óbolos úmidos de velhas salivas

e o ofício dos incêndios surja como frágua

 
ÉDEN EM RUÍNAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O galope da pálpebra e um silêncio úmido

percorrendo o teto das casas do sono

cisnes perambulando na brancura

 
A IMAGINAÇÃO DA PALAVRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia é a palavra imaginando-se ou em ato de expressa imaginação, de expressar o imaginário humano.

 
S O U PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou um poeta inentendível (em absoluto e tal).

O único poeta único com essa qualidade ímpar.

E as exceções, de regra.

 
O FIAT DA LINGUAGEM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Nietzsche afirmou que a linguagem tem seu alicerce vital no instinto mais profundo do homem (algo como o ID).

 
VCA: RIGOR DO CAOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Vital Corrêa de Araújo é rigoroso em sua poética que vela e admira o irracional. Este se opõe e sobresta a razão comercial de hoje,

 
ZELO PESADELO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Antes de adormecer no Retiro

Costumo costurar sonhos

remendo suas vestes turvas

 
CIÊNCIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Descubro rumores de cadáver

a meu lado e primícias

de escombros em outubro.

 
LUGAR (LÍVIDO) DA ALMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Nichos de górgonas azuis lua esquadrinha

crateras enlodadas ainda lábio escaninha

apetrechos de lustres civis prosperam

 
MORTE DA LEITORA (OU DA LEITURA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A tragédia adeja (em teu entorno, leitora vital).

A existência é trágica por exemplo e definição.

Somos seres para a morte. O pasto desta

 
NÃO HÁ PORQUE SER MAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A duração da ânsia estrangula ervas.

 

Todo interior é puro como cobras.

 

A eternidade é uma mulher infinita

 
LUZ DE ÁLGEBRA E SINO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ossuários verdes leve álgebra

de pássaros engendra.

Progresso: abreviatura de lodo e encanto.

 
C O M O PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Para VCA: a incerteza do significado é o que

doa valor ao poema. A certeza anula.

É a incerteza do significado que instiga leitor

 
UNIVOCÁRIA (CÁRIE DO UNÍVOCO) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A involução da linguagem (como o vemos hoje) dá-se quando ela passa do mais metafórico (mais poético) para o menos metafórico (menos poético).

 
CIÊNCIA LETAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sei que te possui o vinho

de minhas mãos arrebatadas

de desejos digitais, de utopias virtuais e vazias

 
A LEITOR HIPÓCRITO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(OS MEUS – VCA)

Caminho na praia noturna de Boa Viagem

(há 50 anos, a 17 metros, inexatos

 
PIEDADE INÚTIL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Céu aquoso exército

do acaso cria

com estanho da tarde

 
ARTEMORTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Preciso (é) demolir

toda decoração

com que o sentimentalismo infame

 
SAFRA NÃO SÁFARA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Fim da safra (parca)

farta morte.

Colhe ceifeira

 
CONFISSÃO MOLHADA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Enquanto te ensaboava vi a espuma

lasciva descer sobre tua bendita racha

e os flocos de sabão pendurados nos

 
<< Início < Anterior 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Seguinte > Final >>

Pág. 23 de 67

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Instagran Usina VCA