Murilo Gun

Quem está online

Temos 18 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos

Textos Agrestes



PoesiAbsoluta
A TUA INSÔNIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Insônia não tem úmero, sexo, data, forma, tempo

é estéril, indocumentada, insistente, pastosa

criada por ímpetos disfarçados de pesadelos

 
A MORTE É GEOMÉTRICA (SIMÉTRIA À VIDA) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Murilo Mendes, um dos gênios da raça, com CDA.

 
CÓDIGO PARNASIANO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O código parnasiano (forma de fazer o poema) neorreparnasianado tornou-se velho, dialeticamente superado, mas não mudou, se manteve firme...

 
VOU AO PAÍS DA MARAVILHA SER FELIZ PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Todos os machos perderão as virgindades (todas)

defrontarão suas ágeis esfinges

e voltando a dormir com as inocentes mães.

 
TECER, IRRESPIRAR E AMARO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os policromos músculos dos vitrais

as túnicas pegajosas de anjos rebelados

os estribus da demanda (além dos alicates de usura)

 
SOBRE VCA OU SOBRE O QUE SOBRE DE SUA SOMBRA NA OBRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ele, VCA, continua desintacto demais.

Acordei hoje novamente impotente

Cristalino, incrédulo, desconformado.

 
DE SERVENTIA POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Perfeitamente, sabe-se que poema VCA serve mais para repelir que atrair leitor. Porém, são poemas com vida e sopro de solidão.

 
O ENTERRO DA POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Na poesia absoluta, distinguimos detidamente a simplicidade da complexidade. Complexo tem enjem no latim complexus,

 
O QUE SEJA HÍMEN ERA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O que é o bendito (ou mau dito) hímen afinal?

Apenas uma membrana (película dérmica) postada (tipo guarda)

na entrada da vagina

 
PEÇA DE HINO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A imaginação literária em ato

o imaginário potencial do homem

atualizado em poema, realizando

 
PALAVRAS INAUDITAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Um dos poetas que mais li, o faço desde 1985, foi Jorge Guillén, espanhol.

 
POEMA AO CORPO DA MULHER NEGRA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Tez cinabra ventre azeviche

velo que noite rasga descobrindo

nos campos árduos do teu corpo

 
DA FARMÁCIA DE DELEUZE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O signo significante (de Deleuze) é algo completo. Não é só face da moeda da comunicação.

 
HALOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os halos, alguns ritos, auras de rosas

e um tipo de auréola roxa

nos olhavam da escada

 
ENTERRO DO TÍTERE RICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Assembleia oblonga de lágrimas

abria-se no aquário

À falta de lenços decentes do velório.

 
MAKTUIB PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

De súbito, subreptícia e abruptamente, vi

um eletrodo de capacete (meio azulado)

e gravata borboleta atravessando apressado

 
LEITOR NOVO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O poema absoluto constitui o leitor. Porque é algo novo no caminho (acidentado) da palavra.

 
SOBRE POESIA NOVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Não se trata da busca do sentido perdido (ou abrir a vital arca do significado), mas de perder os sentidos, ocultá-los, tornando-os indecifráveis,

 
A CATEDRAL EM NOVE ESTAMPAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

I

Homens fabricam lento crepúsculo

com utensílios de dias turvos.

 
SULCOS NO PERGAMINHO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

No poema é possível erguer sólido e lento

edifício de nuvens (nuvens de lírios)

e empórios de ar, além de oceanos lascivos.

 

 
VELHO SAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

a Alejandra Arce

À medida que sol adense, verticaliza sombras.

À medida que o sal avance, a veia cresce, mesmo intumesce

 
<< Início < Anterior 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Seguinte > Final >>

Pág. 23 de 60

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Instagran Usina VCA