Murilo Gun

Quem está online

Temos 43 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
PARA CATIVAR A FEBRE (BÔNUS) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

É tempo de anjos arruinados.

As glórias se acabaram.

O estoque de verdades baixou muito.

 
POEMA ONZE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Decifre cem avos de sentido

do poema indizível

do sono dogmático da água pura

 
LOGIA VCA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Escravos não servem.

Dúzias de adeuses resvalam nas idas.

Heresias são abelhas... velhas abelhas

 
TRINTA E TRÊS POEMAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Silenciosas como o musgo e azuis.

Manuscrevo direto do id.

Esse tempo atravessado

 
S O U PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou um poeta inentendível (em absoluto e tal).

O único poeta único com essa qualidade ímpar.

E as exceções, de regra.

 
DEDICATORIAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A sodomitas o novo céu.

A poetas a frase lídima.

À moeda furada de César a vida.

 
ÁGUAS DO GOZO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

De pedra e espuma a vida.

De efêmeras e macias volúpias o ser.

De clamor da ruína

 
EXEMPLA - VCA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Quando ganhei, pela terceira vez, o Prêmio de Poesia da Academia Pernambucana de Letras, declarei de supetão, aos jornalistas que me entrevistaram,

 
POESIA : FINALIDADE EM SI MESMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Conexão de encanamentos de palavras

para montagem de vasos incomunicantes

de sentidos com acoplamentos irracionais

 
A Verdade Poética PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A ficção é mentira. A poesia, fingimento das palavras. Tudo é ilusão e a rede Maya é cerrada filtra, o que não é material, prosaico, mundano, visível, intranscendente.

 
POESIA ABSOLUTA CONCRETA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sou leitor de Jorge Guillén, desde 1980.

Seu livro Cântico (uma das dezenas de reedições) li numa noite – e reli, reli-o dez, vinte vezes.

 
NÃO CREIO NA AURORA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Do útero inacreditável da aurora

rosa da claridade brota (horta de luz)

olhos da manhã cintilam, aviva-se

 
DA JAZIDA BORGES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os tomos do que morre reviverão

nas últimas bibliotecas de Borges

destinos manuscritos nos catálogos do eterno

 
CELAN, O SUBLIME POETA ABSOLUTO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

VCA

PAUL CELAN, um dos maiores poetas da Alemanha – para mim ao nível de Holderlin – era judeu, foi judiado pelo sistema hitlerista de direita radical e violenta.

 
REVULSOS MÚSCULOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

à inefável musculatura da alma

A cisão desvela vísceras.

À ruína de bispos ao cubo.

 
LABORATÓRIO DO POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Pausas amadurecem

reses se imbricam em córneas e pastos

fezes se solidificam ao acaso úmido

 
A ÚLTIMA DECADÊNCIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Está-se a descortinar a 6ª revolução tecnológica da era contemporânea da pequena história humana (cheia de vicissitudes, aventuras, desventuras e crises de dor).

 
CANTO CRUCIAL (FRAGMENTOS DE NOVO KAOS VITAL) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Tonéis de tristeza derramando-se

sobre olhos minerais atiçados da sede da visão

e corroídos do rumor bursátil da tenda citadina

 
SILÊNCIO: CONTEMPLE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Gosto de contemplar o silêncio. Adoro quando ele me dá bolas. O silêncio só é masculino gramaticalmente. Gozo com o silêncio.

 
POETA HERMÉTICO, E DAÍ? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cláudio Veras
Há décadas persigo a trajetória de Vital Corrêa de Araújo, em especial, no rastro dos livros Só às Paredes Confesso e Palpo a Quimera e o Tremor,

 
NÃO DEIXE QUE LHE TIREM ATÉ O SEU CACHORRO-QUENTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(Este texto – cedido por um amigo, Prof José Rodrigues, palestrante, empresário (do ramo da ecologia),

 
<< Início < Anterior 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Seguinte > Final >>

Pág. 24 de 41

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes