Murilo Gun

Quem está online

Temos 21 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PoesiAbsoluta
DESEJO MOVE O MUNDO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ambrosia da lisonja embriaga

mais que cocaína da inveja

ou néctar turvo da vaidade.

 
INSCRIÇÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Trama na inquieta sombra

traço de ambíguo tigre

ovelha de nuvem amanha

 
OSTINATO RIGORE VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(LIBERAÇÃO TOTAL DA FORÇA EXPRESSÃO)

Preciso atentar que o substrato imagético

é naufrago, oculta-se nas sombras do verbo

 
DA INCAPACIDADE VOLUNTÁRIA PARA EXPLICAR O POEMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

E se pesado poema leve quem o leia

ao abismo do sentido e o enleie

num labirinto de orvalho cego

 
POETA PER ORA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Que na carne

se reinsculpa o sopro

e do barro das criaturas sobre

 
A NOVA NATUREZA DO HOMEM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Compomos uma sociedade tecnologizada, cuja característica aparente principal situa-se no âmbito da difusão e produção de imagens e informações.

 
PARA QUE LER? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A baixa qualidade da literatura brasileira, ao longo do século XXI, é inquietante.

 
VELHO E BOM VINHO GIDE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O vinho da tâmara chama-se lagmy

e foi uma taça de lagmy que um pastor cabila

a Gide ofereceu nos belos jardins de Uardi.

 
FLUTUAÇÃO DA SIGNIFICAÇÃO POÉTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Desde Título provisório, cuja publicação em 1979 decorreu de brinde do prêmio literário em Natal-RN (além do fundo financeiro),

 
O VERSO LIVRE COMO LIBERTAÇÃO DA POESIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

É usual, em poesia, utilizar símbolos com o intuito (não a intuição mas o propósito deliberado, racional) de dizer algo referindo-o indiretamente via simbologias.

 
QUILMES OU CAVALOS ALADOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Os buracos cavalos de Poseidon

corcéis de espumas edimiranos

das haras das nuvens disparados

 
ROSAS QUE DURAM UM DIA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Hoje vou tratar de rosas

rosas empedernidas em choque venérico

rosas blenorrágicas aflorando o íntimo pecíolo

 
VISÃO NOTURNA OU REMOTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

No lixão a noite é serena e nua.

O chorume aliado do metano anima a lua.

O arado dorme metálico sono como osso

 
DEUS SIDERÚRGICO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Água, ar, ápeiron, pássaro

noumenon, pedra, fogo, nous, número

o que compõe o íntimo (que foro vige)

 
NUA PAISAGEM NOTURNA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Esta posta a noite

sobre florão dos edifícios

pássaro do verbo pousado

 
POESIA : RUMOR DE CRISTAL E CHAMA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A poesia que se decifra na paixão pela palavra também se exprime no prélio entre cristal e chama,

 
VERDADES ESCRITAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cópula é repetição

de atos imemoriais animais.

A humanidade tende no seu limite

 
ÂNGULO DE DEUS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Cada ângulo do destino

que deus geômetra fabricou

com despudorada simetria

 
SER POETA OU PROSADOR, EIS A QUESTÃO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Disse Aristóteles que o começo de toda filosofia é o assombro.

 
BODAS DE ADÔNIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ao conúbio de Adônis

touro de açafrão vieram

e éguas lusas com selas de madrepérolas

 
SOM DE BRONZE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Sino de repente, pêndulo nu e crédulo

a balada o revérbero

som que salta e volta da alma

 
<< Início < Anterior 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 Seguinte > Final >>

Pág. 47 de 51

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes