Murilo Gun

Quem está online

Temos 28 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



NOVES POEMAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quinta, 07 Fevereiro 2019 17:52

Até quando, ninguém me quer?

Hasta quando me quererão.

Cacho triste e côncava sombra

do clarão ingênuo e duro do outro relâmpago

sobrou.

 

Ecos surdos do passado voltam

urde som líquido do futuro o tempo

como água espiralando-se

pelo ralo da vida

dos ombros das páginas secas, poema.

Só resta o silêncio da luz sobressalente.

 

Sob céu anônimo uivam

os lobos da têmpora

e os núcleos dos átomos se fissuram.

Evadindo-se de mim.

 

Ante a boca do feroz vazio

e faminto, desfilamos.

Metálico halo golpeia

catre de fúnebre chumbo.

 

Assim, conheci a canção

veio do som da solidão inteira

que vinha da boca do silêncio noturno

soluço e garganta da poesia.

 

De halo em halo de alumínio e pássaro

a luz pula como sal ou milho

e o fulgor golpeia invólucros.

 

Por que só três luzes em cósmica diáspora

se acumularam nas entranhas fabris do tempo

ou se esgueiraram cascavelmente

pelas bordas das engrenagens civis da vida?

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar