Murilo Gun

Quem está online

Temos 15 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



A MEIO DE DECLARAÇÃO SINCERA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quarta, 06 Março 2019 17:23

Creio no papiro e no escuro (sou poeta)

fluxo de lágrima movediça do pranto

lírico (e irremediável) não aceito.

 

Poesia é cântaro de palavras embriagadas.

Confim iluminado de sombras

no túnel da página.

 

Do vivo fluxo do verbo vem o poema

a palavra enlouquecida do poeta

em pleno fluxo de inconsciência.

gritos bebem dos vasos de silêncio ébrio.

Sais se embriagam de desertas imagens.

Poético é ímpeto de que precisam

para expor palavras engendradas

das engrenagens da imagem

escribas demiurgos.

 

Buscam coivaras e dilúvios de palavras

verbos que fujam como jardins

relvas de estrelas esquecidas nos prados do céu

buscam esquecimento de flores

e todas as pétalas da vida devastada

no vaso deserto

e desvãos para onde emigraram

sombras de verbos.

 

Buscam jarros de aridez

para oferecer aos lábios da palavra.

 

 

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar