Murilo Gun

Quem está online

Temos 19 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



ONTEM MORRI PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Morri ontem. Ao raiar do (odiado) dia.

A manhã ainda sem pássaro dentro. Vazia.

Sol apenas anunciado por nesgas de luz

ou clarões arrependidos.

 

Eu que nasci num córrego morri em Londres.

Na solidão enregelada da cidade grande

Anônimo como uma barata melancólica.

 

O enterro foi azul. E frio.

Procissão de nervos encasacados

e rumores de barro saxão me acompanharam.

Para as lágrimas não havia tonel que chegasse.

Abriram conchas (de sopa quente) e dedais

para recolherem-nas com apuro.

 

Parquíssimos amigos frientos seguiram o féretro

mais frio ainda com minha alma gelada dentro.

 

Ao baixar ao sepulcro senti

(não propriamente Cristo, como desejável)

mas cimentos pesarem-me o rosto.

 

Um dístico serviu de marca da lápide improvisada.

Não obteve salvação.

Bem que não tentou.

A ração de imortalidade foi insuficiente.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes