Murilo Gun

Quem está online

Temos 33 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



VIDA DO VERBO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Vive de fantasias o verbo.

E detesta o óbvio.

O verbo sonha o poema.

 

Luzes, olhos, selos, casos carnais do genitivo.

 

Bruxuleia a vela e a cera é lavada sem piedade.

 

A perversão do sentido é viral... e vital.

 

Extraia do verbo toda a borra de banalidades

retire dele todo o não inusitado... e use

na extração buril do imaginário.

Bateie palavra a palavra o texto do mundo

em busca da pepita poética.

 

Da região mais escura do coração vem

luz dos músculos, transparência do fim.

 

Hasteie átomo do absoluto poético. Reserve.

A borra do relativo despreze.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes