Murilo Gun

Quem está online

Temos 43 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



TALHO ET TREVA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A palavra em devir

o verso desvairado

o pleno aberto, a veia exposta da verdade

incerteza e esperança de mãos dadas

o indelével súbito e trêmulo.

 

A hora dos espelhos, rompimento da aurora

o hímen da manhã esfolado pelo falo de luz do sol

o átimo do amanhecer como a morte

o brilho incrédulo, a tez faminta

faminto sonho do qzar

o estofado do trono entupido

esfarrapado o domínio

e a glória inchada de desdita

e o dom agonizando como um domingo.

 

O lirismo das horas proibido

a épica do tempo interrompida

soterrado o dionisíaco

a colheita destruída

o enxame dissoluto

e a alma espalhada como palha

ou espantada como pássaro pelo espantalho.

Claustros envelhecidos

rosas mortas do pátio branco puído

clérigos embriagados com a glória e o álcool

homens e copos solitários no ingente mosteiro

o mundo dentro de nada

o homem fora de si

a vaidade naufragada na própria baba

o instante indistinto

a ternura esmagada

conventos tão polutos quanto fezes ou anáguas

como a vontade ou o instinto do homem deserto

Deus incandescido, descontente

com o coração escuro da criatura

planos inclinados contra a alma

esmaecidos e tristes amores

tecidos bêbados de silêncios

teares e tabernáculos arrombados

ramos que o vento dilacera

flores que o outono disseca.

E meridianos apontados celeremente

a meios-dias devorados

por tardes de faminto Saturno.

 

O espirito lavado com sabão de abutre e água húngara

a verdade rachada como um limão, espremida como a mentira

coração sem punhal ainda

hospitais onde passeiam

assépticas tristezas brancas de dor

e o odor à morte santifica

hinos estáticos, prantos sem parto

angústias decifradas ou amordaçadas ainda

com comprimidos decimais instruídas

odores nauseabundos como lugares ou legumes

a purgação de si questionada

o eu aberto como pústula

ou panarício desesperado

a identidade removida como esparadrapo

o solo encruado do espírito

e as vísceras do sal afastadas como relíquias

a nostalgia cósmica incontida

o amor terrestre diminuído

gota de sangue em fuga do coração

cega travessia da existência

como pêndulo dessincopado:

a vida, o poema, a verdade sem rumo.

 

Aturde-me o que não existo

o ser comprometido com tão vão objeto

vida comprimida em operações ímpias

sede dissolvida em sal e pedra

tempo mastigando instantes amaros

infinito denunciado

como assassino eterno

o véu descorado do coração

arabescos de lábio partidos

gestos cegos, dias mórbidos

cosmovisões agonizando

como uma romã ulcerada.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes