Murilo Gun

Quem está online

Temos 7 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



NOITE MAIÊUTICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Dos úberes da noite, bebo prodigiosa vertigem

Sugo vertiginoso ego e anulo. Vou

a nus recônditos de mim, à luz do verbo noturno, sigo cego ou não.

Onde o espanto apuro.

No obscuro da palavra, em seu eito breve

e profundo como o espírito, encontro

luz diferente que brinda à vida, em taças de veia.

 

Límpido deslumbramento me consome

e não empobreço, mas me retenho

qual ouro de gruta imortal, qual brecha rósea

que sêmen explore, pois de velhos prazeres

e trevas oraculares vive o poema

à gravitação do verbo absoluto do mundo

e não resiste a página. A noite

abre meu rosto, a ela expiam os olhos.

Se a infatigável perda não demora

atiço os vórtices e as náuseas de verbo atiço.

Se não tenho olho celeste, se estrelas

de mim debandaram, tenho a distância

e o poema guia exato cão de palavras. Além

do vértice de um poema geométrico, em que subo

acrobata geométrico do trapézio vazio da vida.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes