Murilo Gun

Quem está online

Temos 117 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



A MORTE É UMA MULHER PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A morte é o nosso outro. É um ser

(a morte) imortal (como Deus que a criou

do mesmo barro da vida, porém

mais bem cozido e misterioso).

Presa do tempo homem encontra

da morte a liberdade (final).

Resta ao homem privilégio:

não faça sua morte estéril.

(Fecunda-a ainda em vida plena plenamente).

(O segredo é olhar a morte com olhos jovens).

Enterrado em sua solidão poeta

exaspera dom e canta desencanto

canta mundo em si (nele e em mim).

Canta horas restantes e sonha

branco da mortalha (alada para a alma).

Canta vestígios do espírito

que deixará na pedra impregnada de dor voraz

veraz dor de ser. Pois o não-ser é indolor.

Do cárcere final encontrará túnel

semluz onde jaza mortuária máscara

a verdadeira (e não má) máscara humana.

 

(Se o tempo morre, pergunte à água.

À água múltipla e mesma de Heráclito).

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes