Murilo Gun

Quem está online

Temos 28 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



PARAEPÍGRAFES PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Baudelaire tinha o profundo sentimento de que o horror de viver não pode ser consolado pela morte nem substituído pela glória de ter algo.

Não há nada que esgote ou anule o horror de existir, de ser, que é a existência, que tem como principal significação o sentimento de que nunca se deixa de existir, não se sai da existência, existimos e pronto, e sempre existiremos até a exaustão de Deus, o que é revelado por esse horror. Exemplo: ”Mostrar que / até na cova / o sono / prometido não é certo / nada é traiçoeiro / a morte mente / há projetos esquisitos / mais carne para o espírito” (Baudelaire). Pois busco o vazio, o escuro, o nu... o nada em si.

 

1.Portanto, não se deve contar com (o) nada para chegar ao fim.

Maurice Blanchot

2.Valery censurava Pascal por estar exageradamente desesperado e expressar por demais perfeitamente esse desespero.

3.É no sepulcro que Jesus assume uma nova vida, não na cruz. Na Terra, Ele só teve sepulcro como repouso. Seus inimigos, só permitimos a Ele a paz do túmulo.

 

4. “Não odeio em mim essa imensa amargura

de não ter achado o fogo que me consome

de tudo esqueci, sufoquei o triunfo

da carne e tantos vis troféus”. P.Valéry

 

5.Tudo é e nada é. Heráclito

6. O inferno são os outros. Sartre

7. (O) nada é tudo o que eu tenho. VCA

8. Tudo é ilusão e a ilusão é uma ilusão. Fernando Pessoa.

9. Poucos atravessam as Portas da Percepção

muitos encontram no fim do seu périplo

os portões do inferno, alguns poucos

alcançam o limiar dos portais um tanto oxidados do paraíso

mas morrem de êxtase na praia

ante masmorras do mal sucumbem

mas assim não está escrito (maktub negativo)

nas linhas da mão nem nas páginas do coração de Deus:

porém na testa do Destino

que as moiras estrelam

de treva e martírio. VCA

10. Empurro para baixo minha pedra

sou Sísifo, embaixo está o rio

e é mais fácil descer até o início

(que é o mesmo fim) diminuindo a pedra

e as minhas mãos (diminuindo a vida)

vendo as fotografias ao contrário

(mais novo em cada uma) vou cantando

sobre as flores (que a terra está florida)

e eu não sou mais poeta, sou menino.

 

Última estrofe do lírico-épico

poema Sísifo, de Marcus Accioly

onde o poeta assume ser o mito.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes