Murilo Gun

Quem está online

Temos 11 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



ALGUNS POEMAS DE ROGÉRIO E VITAL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 06 Agosto 2013 20:26

SEM MANHÃS

Rogério Generoso

 

Amanheci sem manhãs.

O orvalho, os pássaros

não vieram abrir o anfiteatro.

Deus calou-se.

 

 

Um dilúvio, diariamente, inunda

as várzeas ao  fim de cada tarde.

Não há mais tardes.

Socorro-me de uma penumbra

e chego à noite. A noite está repleta

de seres (notívagos ou não) com suas

libações extremas até que os sistemas

em dominó explodam.

Não há mais noite.

Não há mais nada.

O tempo é unânime, rumor de aurora

clarins na madrugada de música

ouvida do sol, bandeja de quasares

diamantes moles informes, mais nada.

 

(Até que Deus sopre outra manhã

de orvalho e pássaros.)

 

ANGÚSTIA DE CUTELO

Vital Corrêa de Araújo

 

Quem imagina a angústia do cutelo

a tombar sobre o fatal

pescoço do cordeiro?

 

Ou sobre extremo e grácil

torso de uma corça

na inocente sombra de uma tarde?

 

ENTERREM MEUS OLHOS NO AMANHECER

Vital Corrêa de Araújo

 

Enterrem meus olhos longe  das ciladas do tempo

perto das estrelas, entre esferas e mosaicos do céu

ou na cerâmica do horizonte, além das gaivotas

que eles não ouçam rumor a vermes

nem úmeros deteriorados ou meu coração

a devorá-lo eternidade de gusanos

e meus inúmeros neurônios dissolvendo-se

poça putrefata, ásperas secreções em debandada

(estirando-se pela caixa craniana como rio escuro).

O crânio empapado, silêncio absoluto.

Ecoando nas frias fimbrias do meu cadáver vital

(a voz de algum verme deglutida pelo silêncio

insuperável).

 

Enterram meus olhos lá no Olimpo

entre harpias e quimeras

perto do lodo mais alto

longe da náusea terrena

nos planaltos que vivem além do poente

nas montanhas entrincheiradas no infinito

enterrem meus olhos perto das estrelas

longe do tempo, da sarjeta das horas e deixem

meu coração arruinar-se

no banquete escatológico

as vísceras na cova abandonadas

entregues à sanha dos carnívoros sais da terra.

Enterrem meus olhos no amanhecer.

 

(MADRUGADA NA PRAIA DE BOA VIAGEM)