Murilo Gun

Quem está online

Temos 23 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



INDAGAÇÃO METAFÍSICA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Perdi ontem minha adorada sombra

ó pobre sombra (e vital) onde estás
em que mundo, em que obra, em que terra
árida perambulas


sozinha, sem eu a chorar e gemer
sem o corpo que te dava abrigo e substância?

 

Em que furna de demo te encerras exausta
ó minha cara e desditosa sombra?
Quem sabe fugiu
para o museu de sombras de Jung?

Amanhã quando ir-me de todo
deixarei na terra nua o campo
e vaguearei (como?) sem sombra
ou amparo do sal.

(Eu me havia morto
e meu enterro puro e sem graça
ou melhor com desgraça
posto que a desgraçada sombra
fugiu com outro corpo talvez
e me deixou desassombrado).

 

Já não conheço o sal
e o sol de onde arranquei o pássaro
da solidão de aço do céu (que é vão)
do órfão concerto a mão
da flor esmagada o pão incendiado
a crueza do obstáculo
o relâmpago sem perdão
e luzes crespas e flagelos ágeis
ou olhos com lágrimas de gelo.

 

Esferas de areias ardendo
defronte a usuras cegas vejo.

 

Por que céu tão amaro
e febre tão suave na face
por que rosto sulcado de tanta coivara
e pão tão ímpio quanto mortalha?

Trevas gregas espero
como troar de esferas.
Por que o brilho da relva
não depende mais do orvalho
e das campânulas de água amanhecida?

 

Céu já não cintila
já não se considera estrela.

 

A solidão matinal é uma burla
A navalha já não cicia afinada com a carne.

 

Pássaros se oxidam.
Já não flameja som dos regatos.
Arroios morreram

 

E a morte, quando termina?

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes