Murilo Gun

Quem está online

Temos 33 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



OBSCESSÃO DA POESIA ABSOLUTA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

A Poesia Absoluta recusa – e é peremptória (abomina o conteudismo como finalidade da linguagem como ideologia que faz veículo da palavra)

redução (da palavra poética) a conteúdos obrigatórios e essenciais. Palavra que exista só pelo que diga, que objetive só e nada mais que conteúdo. Quando, para a poesia, a palavra deva desobjetivar, recusar a sela e a carga de conteúdo (pesado ou não). Palavra poética não é animal levando recado. Não é alimária de mensagem. Acabou esse tempo. Acabou. Absolutamente.

 

Uma estrofe quase estropiada

sob o peso feroz e injusto

dos conteúdos que carreguem

mensagens (sociais ou não)

que as pobres palavras ou formas

em seus lombos verbais transportam.

 

Nova subjetividade é a proposta da PA.

A página branca é uma caixa preta que o poeta

absoluto abre e liberta os tentáculos da emoção

para que fique a poesia pura

.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes