Murilo Gun

Quem está online

Temos 23 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



ÂNSIAS IMUNDAS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

I

Não basta narrar a morte

nem romanticamente sentí-la

antecipando o escuro espetáculo...

 

Sou morto, estou vivo e farto

escrevo como um demônio cívico

o íntimo publico sem místicas imóveis

ou intenções escusas e carnais.

 

Não quero acabar com o juízo de Deus.

Quero preservar o meu poema

de condenações ou burlas absurdas.

 

Se nada há mais de brotar do sopro

dissolvendo-se... que o fruto cru

da palavra arrebente

a página da alma.

II

O mais... e o menos também

concedo ao delírio verbal.

 

Se todas as significações

foram bem estabelecidas...

serei o mais estranhado poeta

pois elas não me ultrapassam

permanecem estacionadas na passagem.

 

O sentido do poema é inexpugnável.

Os sentidos estabelecidos são passados.

Apodreceram. São fiéis sem fé verbal.

 

É cômico e trágico antecipar o sentido

absoluto do poema, se ele não o traz

ou se o sentido é o poema em si.

III

Do catálogo da lucidez ou de suas sombras

aptas não se extrai nem um poema.

 

Amo os equinócios e as mulheres

iguais ou insinceras demais.

 

De elementar náusea nua

e íntima sofre o espírito.

 

Signos sem ventre, muros de sal

silêncio preserva qual relíquia.

 

No rosto inelegível do sábado.

 

Tempo redil das horas ébrias

rebeladas, jângal dos relógios

moles.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes