Murilo Gun

Quem está online

Temos 50 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



À MORTE DOS PARALELEPÍPEDOS E OUTROS OBJETOS METAFÍSICOS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

À luz rápida das hélices

diviso a palavra pousando no poema

e ouço nítido como o inferno cônico

seus gritos helicoidais

garatujados na lauda mecânica

e o pouso se arrastando

pela ponta (pista) dos dedos

parece o dilúvio

se preparando para acabar

a última página do mundo.

 

apuro as sílabas

na amurado do último barco esculpidas

e a água urrando na popa redonda.

 

Os olhos de Deus de vigia

o tumulto aumentam pois

Suas pálpebras são como as asas

da tormenta.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes