Murilo Gun

Quem está online

Temos 29 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



POESIA: QUALIDADES ESSENCIAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Contribuição à questão (sua dirimição, em última instância) essencial que avassala o debate poético – mas não submete críticos insubmissos), no que concerne a:

- exigência obrigatória de tema ou fio estrutural

- incompreensibilidade (ou indizibilidade) do poema

- indeterminação (ou ambiguidade) poética essencial

- não univocidade (ou necessária pluralidade) ou equivocidade completa

- pelo hermetismo (ou contra os dogmas perniciosas da clareza, da explicação lógica, exata, indubitável, quase matemática, da mecânica compreensão imediata e cabal – cabo a rabo – do poema, porque esses são requisitos inerentes à prosa).

Ou seja, contra leitor perspicaz.

- crua logicidade, inclusive imagética, que se impõe ao poema como condição sine qua non de ser poesia, ou com finalidades e objetivos poéticos suspeitos.

- visibilidade (do conceito de J-M. Adam, com o nome vernáculo criado pelo grande tradutor e teórico, Mário Laranjeiras) que consiste no fato de que o poema é reconhecido e operado pelo leitor duplamente de modo simultâneo: visto e lido. Ao olhar para a página, em que se insira o texto, leitor vê tratar-se de um poema – e não outra coisa, e isso gera predisposição para uma leitura poética, não-referencial, numa busca de desvio lógico, de sentido oblíquo e não normal. A atitude visilegível foi básica para o poema visual, em extinção.

- sentido apodítico e frontal do mundo, sendo objetivo do poema sentí-lo (ao mundo) e esclarecê-lo (o mundo), contra o cego querer dizer, a sanha de informar, a indubitabilidade certeira do poema (e conveniente). E a má formação da informação?

- tudo pela dubitabilidade absoluta.

- ânsia (ou mesmo volúpia) de narratividade normativada poética de dizer, informar esclarecer “mensagem” (o ego do mundo), explicar cabalmente, sem nenhuma dúvida ou área cinzenta ao menos, eliminar todo (e qualquer) mistério ou possibilidade do leitor não entender, em suma ser claro como um meio-dia tropical. Perspicácia zero.

Em síntese, que leitor interessado utilize essas epígrafes, comentários e fragmentos de texto para dirimir (ou ajudar a) a questão da incomunicabilidade sagrada e cabal do poema (da poesia como condição sine qua non de sê-la ou de contê-la o poema; de seu mistério, exigência de seu âmbito, e desalicerçar a utilização da linguagem poética para fins de informação, mensagem, contação de história, descrição de emoção; para dizer algo, explicitar coisas, dar lição (de moral ou não), comover, educar (fora do âmbito do conhecimento), o que é, em essência, contrário à função poética da linguagem (por ser matéria de outras funções da linguagem). Resultado da premissa levantada: é território sagrado da prosa: dizer, narrar, explicar, informar. E da poesia, de ser.

ADENDO: é risível e altamente ridículo, sobretudo culturalmente baixíssimo, poesia como deleite de salão, domingos lítero-culturais e feriados civis, em que se declamam sonetos à pátria ou à amada (em seu aniversário ou fim do ciclo menstrual). Poesia como sorriso da sociedade nunca mais.

Recife (UBE) 2002

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes