Murilo Gun

Quem está online

Temos 37 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



ME CHAMO NINGUÉM PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Ninguém é meu nome

sou da longa linhagem do nada

incompleto pária, touro castrado

épura sonolenta, vitral de soslaio

cacos de cores, celofane amordaçada

gravura de cromo, cinéreo instante

sombra poluta, adiada dor vital.

 

Nasci para ser ímpar ou dúbio

e vou embora logo para quando

(assim que o futuro terminar).

 

Onde é o lugar que habito desde ontem

é assim que volto ao passado de ser

(recuperando as carnes desperdiçadas, talvez)

ou apenas completar o desser.

 

Meu tempo é sempre trânsito

mero pretérito imperfeito atravessado fui

futuro é nunca

sou ultrapassado pois (porque)

meu nome é Ninguém.

 

a Séssilu e Uéssido

irmãos amigos de Ninguém.

Sonho com arquiteturas velozes e nada vãs

com velocinos de lã ilusa aos montes (além de

edifícios lentos ou amáveis baluartes de nada

sonho com geometrias bêbadas e indóceis corredores

muros lentos de probos labirintos, sem centro ou êxtase)

cujas sombras levam a lúcidos touros

feras do coração sem rumo

caminho que a morte percorre dia e noite.

 

Sonho com dilaceradas colmeias e fatigado néctar

anseio por vicissitudes e edifícios desmaiados

 

do pacto que fiz com objurgatórias amáveis ou não

sobraram preces genuflexas, cócoras de orações

ditirambos podres e um cordel de canela sem nome.

 

Sonho também com tentaculares utopias

chegam a meu sono campos do futuro.

A mais velha parca pedi fio de prata

um condão de tempo para a mais jovem

e a tesoura parda pedi à outra.

Vivo a escandir sem pressa

(sem a pressa que aniquila o verso)

trissílabos inteiros, inteiriços e decassilábicos pés

de trena em riste furioso

rimas perdidas garimpando num baú vermelho

(como do olho de boi o selo)

em odres de sílabas velhas

ou da víscera algo melodiosa de vetusto dicionário

algum alfarrábio de fonemas finados

e da bateia desse árduo ouro de som talvez

ânus castos, portulanos áridos

e lençóis de sílabas devassas

envoltas em hiatos de musselina.

 

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes