Murilo Gun

Quem está online

Temos 18 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



ARITETIA DO POEMA E DESVISÃO DO MUNDO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O poema pode constituir, abranger, ser

uma mera e simples parcialidade

algo intranscendente que vele o real

(parcelar e bem medido talvez)

ou um total e completo caos (criador)

uma totalidade radical do real

(incluindo aí todo ou muito do irreal).

 

O poema parnasiano transposto para o século XXI

(esse absurdo e doente e malvado anacronismo santo)

pelo soneto descritivo, moralista, agradecido

ou mesmo meio mirabolante, suado, criado

não é literatura (hoje), é literalidade (não

literariedade). Descrever não é revelar.

É velar a essência, mascará-la

de ritmação externa, ábaca, rímica.

A descrição sonética de uma emoção pessoal

de uma situação “moral” ou comemorativa

(aniversário de mãe e essas coisas e tais)

é imbecilidade esplêndida, digo, exponencial.

Descrever (cantar d’amigo agora) equivale

a sonegar a essência que é imprecisa

pela precisão do poema (de exatidão aritmética).

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes